Caxias do Sul 27/05/2022

Robô fornecido por empresa caxiense garantiu distinção a suinocultor paranaense

Premiação, promovida pela unidade da BRF de Toledo, consagrou Valecir Rubert com os melhores resultados entre mais de 500 granjas
Produzido por redação, 26/07/2021 às 20:13:57
Robô fornecido por empresa caxiense garantiu distinção a suinocultor paranaense
Tecnologia auxilia o produtor Valecir Rubert
Foto: Divulgação Roboagro

A partir da utilização do Robô Alimentador de Suínos, desenvolvido pela Roboagro, de Caxias do Sul, o suinocultor Valecir Rubert viu reduzir seu esforço físico para manuseio e distribuição das rações, além de otimizar o tempo para a atividade.

“Eu carregava no braço a ração que era colocada nas baias, levando cerca de duas horas para finalizar; e sempre dava alguma diferença nas quantidades, de 300 gramas a um quilo. Agora, eu programo o robô e ele faz tudo sozinho, em pouco mais de uma hora, com a possibilidade de erro zero na distribuição alimentar”, explica.

A aposta na tecnologia e a adoção das melhores práticas e das ferramentas disponíveis no mercado abreviam caminhos para a busca da excelência dos produtos oferecidos, melhoram a qualidade de vida e os resultados financeiros.

Com essa proposta, o paranaense Rubert, morador de Toledo, município maior produtor de suínos do Brasil, localizado no oeste do Paraná, teve seu esforço recompensado. Integrado ao maior frigorífico daquele estado, a unidade da BRF de Toledo, ele conquistou o 1º lugar na categoria de Sistema Vertical de Terminação do Prêmio Integrado Destaque, reunindo os melhores resultados de lotes em 2020, incrementados pela tecnologia da robotização.

A cerimônia de premiação ocorreu neste mês, durante evento anual realizado pela unidade da BRF de Toledo, conferindo a representatividade da distinção e colocando seus participantes entre os melhores suinocultores do mundo. Os números de Valecir Rubert se sobressaíram dentre mais de 500 produtores cadastrados pela BRF do município, referentes à produção e cuidados com os animais. Rubert afirma que a automatização não melhorou somente os lotes de suínos, mas também a sua saúde.

“Eu desenvolvi um problema no braço devido ao esforço manual diário. Hoje, tenho até mais tempo para a família e posso me dedicar a outros afazeres com os animais”, acrescenta.

A tecnologia da Roboagro contribuiu para a melhora da produção da Granja Rubert, permitindo um salto de R$ 7 por cabeça de suíno, valorizando a precificação e qualidade dos lotes fornecidos, avaliados em diversos índices zootécnicos. Como critérios desta avaliação, a BRF analisa, principalmente, a conversão alimentar, a mortalidade, o ganho de peso dos animais, bem como outros índices de performance.

Suinocultura 4.0, inédita no Brasil

A saber: a robotização integra a chamada suinocultura 4.0, inédita no Brasil, porém já considerada novo padrão para o mercado nacional, possibilitando a aplicação da suinocultura de precisão para dentro das granjas.

O equipamento realiza a distribuição de ração para suínos em suas baias, com horários pré-determinados, sendo 100% automatizado e sem interferência humana. Durante o processo, o robô ainda reproduz música clássica, cuja eficácia voltada à fase de crescimento dos suínos foi comprovada por meio de estudos.

O suinocultor, por sua vez, consegue identificar, com maior precisão, a condição sanitária da granja e o andamento do lote, mediante o aplicativo de gestão da Roboagro.

“Aproximadamente 70% do custo de produção da carne suína está diretamente ligado ao consumo da ração. Com o equipamento é oportunizado, ao criador, o ajuste da sua produção conforme as variações do mercado e dos custos dos insumos. Isso deixa a carne produzida aqui mais competitiva”, ressalta Giovani Molin, diretor da Roboagro.

Curiosidade: atualmente, existem cerca de 600 unidades do Robô Alimentador de Suínos em operação nos três estados da Região Sul, responsáveis por 66% da suinocultura nacional, além de presença institucional em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul e interior de São Paulo.