Caxias do Sul 19/04/2024

O desejo de ser feliz bate à porta

Tristes dias fazem parte da nossa vida e nos fortalecem, mas não estacione na tristeza
Produzido por Neusa Picolli Fante, 01/04/2024 às 07:54:46
Neusa Picolli Fante é psicóloga clínica especialista em lutos e perdas
Foto: Morgane Coloda

Acordei querendo ser feliz de uma maneira ainda não sentida. Terna. Verdadeiramente, desejava me sentir feliz na essência...

Certo dia, me confrontei com esse profundo desejo e necessitei procurar subsídios para lidar com todas as emoções ali existentes... Como continuar a ser feliz, ou sê-lo, de uma maneira não vista. Não imaginada até ali. Foi o grande questionamento que se sobrepôs. E a procura se solidificou. Desejava ser feliz de uma nova maneira, sentir de um novo jeito.

Nesse pensamento, lembrei-me da jovem mulher que me questionou, uns dias antes, se poderia sair da tristeza.

Eu digo para ela e para todos que se sentem tristes, acuados, sem perspectivas, que sim, podem, assim como podem viver a vida inteira tristes. Essa é mais uma das muitas escolhas que fazem parte da nossa vida.

Nesse constatar, olhe para o seu passado, para passar a limpo, para encontrar forças, para seguir adiante, para achar o fio que o desate dessa tristeza que se arrasta com você pelos dias. Compreenda o que vive hoje, o que viveu até aqui, inclusive a essência das suas gerações passadas e, principalmente, entenda o que deseja delinear para quem vem depois de você.

Recordando que temos momentos tristes e alegres, não somos só um, ou só outro, e que a tristeza é um sentimento normal, faz parte da nossa vida: é a oportunidade de nos fazer refletir e de nos redirecionar. Até porque, sentir tristeza nos faz olhar pra dentro, pra nossa essência, para os nossos sentimentos...

Por isso, não fique angustiado por sentir tristeza, “acolha o que ela quer te mostrar” – dizia a voz que gritava dentro de mim.

Tristes dias fazem parte da nossa vida, é a oportunidade de reavaliar o vivido e de nos fortalecer. Mas não estacione na tristeza. Vá além do que enxerga ali. Procure olhar além dos muros que se constroem, além do que se permite ver nesse momento. Lembrando também que as pessoas seguem pela vida, algumas com o olhar triste, cansado, outras com uma alegria e gratidão imensa no coração, que chega a se expandir para fora. Outros ainda, ora tristes, ora alegres, seguem seu caminhar. E faça sua opção, escolha quem e o que você quer alimentar.

Não posso entrar na vida do outro e dizer como ele deve andar, posso somente alterar o meu caminho, mudar meus passos, rever meus pensamentos, redirecionar meus sentimentos.

Acorde o ser feliz que, em certa medida, existe em você e anseia pelo despertar...

Neusa Picolli Fante é psicóloga clínica especialista em lutos e perdas. É palestrante e escritora, autora de oito livros: três de psicologia, três de crônicas e dois de poesia.

Da mesma autora, leia outro texto AQUI