Caxias do Sul 06/07/2020

Você lava as mãos ao sair do banheiro? Veja o que revela pesquisa sobre esse hábito na Europa

Levantamento mapeou a popularidade da prática de higiene básica, tão defendida hoje devido à pandemia
Produzido por Marcos Fernando Kirst, 06/05/2020 às 20:51:46
 Você lava as mãos ao sair do banheiro? Veja o que revela pesquisa sobre esse hábito na Europa
Foto: WIN/GALLUP

POR MARCOS FERNANDO KIRST

O mantra é o mesmo ao redor de todo o planeta e repetido à exaustão: “lave as mãos, lave as mãos, lave as mãos”. Esse hábito comum de higienização e de prevenção da disseminação de doenças, especialmente as contagiosas por micro-organismos, é conhecido da humanidade já há séculos, e seus efeitos, quando adotado, são bastante reveladores. Seus efeitos contrários, quando não observado, também são conhecidos, o que faz os profissionais da saúde insistirem na prática em todas as línguas, em todos os lugares, o tempo todo, como forma eficaz para prevenir o coronavírus e minimizar a proliferação da doença (desta e de tantas outras).

Lavar as mãos com água e sabão, como temos escutado dos médicos, enfermeiros e jornalistas, pode parecer um ritual prosaico, e é mesmo. Porém, o tamanho de sua simplicidade é proporcional ao alcance de sua eficácia: proporciona higiene, incrementa a saúde e, o principal: protege a vida. Sua não observância... bem... é preciso dizer?

Um dado curioso e revelador em relação à importância vital do ato de lavar as mãos pode ser observado em um mapa que demonstrou a adoção dessa prática nos países da Europa, no ano de 2015. Conduzida pelo renomado Instituto Gallup, dos Estados Unidos, em parceria com a rede WIN (Worldwide Independent Network) e divulgada recentemente nas páginas do jornal norte-americano “USA Today”, a pesquisa submeteu aos entrevistados dos diversos países europeus a seguinte pergunta: “Você lava automaticamente as mãos com sabão e água depois de ir ao banheiro?”. O percentual de pessoas entrevistadas que deram respostas positivas (“Sim”) está indicado em cada país no mapa, demonstrando a incidência maior ou menor da adoção do hábito em cada nação.

O pior desempenho foi na pequena Holanda, com apenas 50% dos entrevistados declarando-se adeptos do bom hábito. Se metade disse “sim”, lava as mãos, é porque a outra metade disse “não”. Em segundo lugar na condição de país mais refratário à água e ao sabão nas mãos após o uso do banheiro, vem a Itália, com apenas 57% declarando higienizar as mãos após a ida ao banheiro.

Na Espanha, somente 61% confessaram adotar a prática que, em um mundo ideal, deveria ficar na casa dos 100%. Na França, o índice ficou em 62%. Por sinal, Itália e Espanha figuram entre os países europeus em que a disseminação do coronavírus em 2020 se deu de forma mais rápida e avassaladora. Seria coincidência?