Caxias do Sul 06/07/2020

Lideranças da Serra comemoram a reabertura das lojas na terça-feira, mas mantêm cautela

Retorno à bandeira laranja na região de Caxias do Sul é resultado de esforço coletivo para ampliar leitos de UTI, mas ações precisam continuar
Produzido por Silvana Toazza, 21/06/2020 às 11:35:03
Lideranças da Serra comemoram a reabertura das lojas na terça-feira, mas mantêm cautela
Foto: LUIZ CARLOS ERBES

Sábado, 20 de junho, dia em que Caxias do Sul celebrou 130 anos de emancipação política e recebeu um presentão, em tempos de apreensão econômica: a notícia da volta à bandeira laranja no modelo de distanciamento controlado para inibir o avanço da Covid-19 no Rio Grande do Sul.

A nova classificação foi obtida por meio do esforço conjunto de prefeitos e entidades de classe dos 49 municípios da região, que correram para ampliar o número de leitos de UTI e estruturar a rede hospitalar. A ação coletiva deu resultado e a partir desta terça-feira (23) a Serra está autorizada a flexibilizar as restrições, permitindo o funcionamento do chamado varejo não essencial com 50% de funcionários.

Na última semana, a bandeira vermelha (leia-se risco alto para a contaminação pelo coronavírus) exigiu o fechamento de lojas, academias, shoppings e igrejas, num novo round de prejuízos, já que o setor de comércio e serviços já havia paralisado as atividades durante um mês, entre meados de março e abril.

“Comércio deixou de faturar R$ 23,1 milhões na última semana”

A medida foi comemorada por lideranças empresarias. O presidente da CDL Caxias, Renato S. Corso, acredita que a união das entidades com o poder público e demais municípios da Serra melhorou os indicadores relacionados ao distanciamento controlado e, consequentemente, possibilita a reabertura do comércio a partir de terça-feira.

“Mostramos ao governo do Estado que Caxias do Sul, ao mesmo tempo em que defende a preservação da vida, com disponibilização de 31 novos leitos, se preocupa com os empreendedores, com a manutenção dos empregos e com a retomada da economia. O setor do comércio movimenta R$ 2,1 bilhões anualmente e representa 28% do PIB de Caxias do Sul”, defende.

Com base em números de arrecadação de ICMS, a CDL Caxias do Sul estima que o comércio deixou de faturar R$ 23,1 milhões somente na última semana (R$ 3,3 milhões por dia), o que representa uma queda de 53% na arrecadação do setor, devido à paralisação dos estabelecimentos classificados como não essenciais.

Não dá para relaxar

Embore celebre o retorno da bandeira laranja na Serra e enalteça “a união de esforços dos municípios da Amesne (Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste)”, o prefeito de Caxias do Sul, Flávio Cassina, convoca a população e as entidades a manterem a vigilância para não retornar a medidas mais severas no modelo de distanciamento do governo do Estado.

"Os indicadores foram favoráveis, mas precisamos redobrar os cuidados, precisamos que a população continue ajudando, usando máscara e saindo de casa apenas para o essencial, diminuindo assim o contágio e o número de internados, mesmo com o número de leitos maior. Estou satisfeito com o resultado e seguimos fazendo um trabalho forte com as entidades para não voltar à bandeira vermelha", afirma.

A luta continua

O Sindilojas Caxias também celebra a reabertura do comércio na terça-feira, mas mantém a preocupação com a inconstância imposta ao comércio pelos índices de saúde:

"Na terça, voltamos a abrir os nossos estabelecimentos e estamos motivados a atender os nossos clientes após esses dias de portas fechadas. Porém, precisamos continuar reivindicando alternativas, caso a bandeira vermelha volte, como atendimento com 25% dos funcionários ou com horário reduzido, bem como as opções de tele-entrega", argumenta a presidente, Idalice Manchini,

A dirigente pontua que “precisamos de regras claras e objetivas para não seguir temendo o fechamento do comércio a cada anúncio de bandeira".

Leia também:

Serra Gaúcha melhora indicadores e volta à bandeira laranja