Caxias do Sul 18/05/2021

Energia solar escancara um mercado com sombras

Setor receberá 5,4 mil novas empresas no país em 2021, mas nem todas se manterão ativas, prejudicando o suporte e a assistência técnica das usinas solares aos clientes
Produzido por Silvana Toazza, 22/04/2021 às 15:37:55
Energia solar escancara um mercado com sombras
Parceria da Magnani com a rede de postos SIM
Foto: Magnani, divulgação

Energia solar, um mercado radiante que faz crescer dia após dia o número de empresas focadas em oferecer usinas fotovoltaicas. No Brasil, estima-se que 5,4 mil novas companhias comecem a operar neste setor em 2021, avanço de 27% frente às 20 mil organizações que hoje atuam nesse filão, aponta o Portal Solar. Detalhe: apenas 12,3% das empresas que instalam módulos para a captação do sol estão no mercado há mais de quatro anos.

É justamente ali que mora o perigo: se no geral, de cada 10 novos negócios no país, seis morrem antes de completar cinco anos de vida, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no novíssimo e complexo mercado de energia solar a sobrevivência média é ainda menor, de três anos.

Uma usina de energia solar tem vida útil de 25 anos, sendo que o retorno do investimento se dá de três a cinco anos. Mas como uma empresa que pode desaparecer do mercado logo mais poderá oferecer a assistência necessária para cuidar e garantir melhor performance de uma estrutura de energia solar aos seus clientes?

O questionamento é uma incógnita, e já causa dilemas nesse disputado mercado, acendendo uma luz vermelha na cabeça do consumidor para a importância de escolher bem a empresa que instalará a estrutura de captação de energia solar, não levando em conta apenas o preço, mas um conjunto de fatores, como tempo de atuação no mercado, histórico, cumprimento da legislação, conhecimento e pós-venda.

Monitoramento das usinas em tempo real

Com 50 anos de história no ramo de materiais elétricos, a Magnani Luz e Energia, com matriz em Caxias do Sul e filial em Torres, é uma das pioneiras no Rio Grande do Sul no mercado de energia solar. Desde 2012, além das várias soluções que oferece ao setor fotovoltaico, disponibiliza também a gestão em tempo real das usinas de energia solar aos seus clientes, a partir de uma exclusiva sala de monitoramento.

O serviço é oferecido tanto aos consumidores que instalam as usinas através da Magnani quanto aos que escolhem outras companhias, mas acabam desassistidos no pós-venda, na continuidade do acompanhamento. E, nesse segundo quesito, vem crescendo a busca justamente porque há muitas instaladoras aventureiras e por vezes amadoras que somem do mercado, até porque trabalhar neste segmento exige capacidade técnica em várias frentes. Sem a devida qualificação, há riscos inclusive de acidentes e quedas de telhados, como já ocorreu na Serra:

“Quando se contrata uma usina solar, é preciso que seja avaliada a questão estrutural para verificar se comporta um sistema desses e ficar de olho na legislação. É um projeto complexo que envolve planejamento e execução, estudo de viabilidade técnica, avaliação da estrutura elétrica e seguro patrimonial. Não é só contratar a usina, é preciso avaliar se a empresa fornecedora presta um bom serviço e suporte, com instalações de qualidade e assistência. Caso contrário, existem riscos de vida e perdas patrimoniais, além da queda de performance do sistema”, alerta Jonathan Oliveira, coordenador de eficiência energética da Magnani Luz e Energia.

Cada obra é tão única que, em um hospital de Porto Alegre, por exemplo, o projeto de energia solar exigiu a incorporação de alpinistas à equipe da Magnani (veja foto acima).

Mais de 600 projetos de usinas já concluídos

Por conta de todas essas variáveis, Jonathan Oliveira informa que é necessário um monitoramento para avaliar e potencializar a performance do sistema. Isso garante rendimento, excelência e economia (podendo chegar a 95% de economia ou até zerar a conta de luz) aos consumidores que aderem à energia elétrica gerada a partir do sol.

Muitas companhias vendem e instalam os módulos, mas não fidelizam o cliente com a assistência necessária, o que pode ser contratado separadamente junto à Magnani. Além de uma sala de monitoramento em tempo real das usinas solares, a empresa ainda oferece o mapeamento e a manutenção das instalações com uso de drones, e fornecimento de relatórios para assegurar a performance do sistema.

Esse diferencial competitivo garantiu à Magnani a execução de mais de 600 projetos de usinas de energia solar viabilizados no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina desde 2012, quando estreou na área, atendendo setores que vão de agronegócio a comércio e indústria, passando por residências e condomínios, de pequenas a grandes usinas.

"Engana-se quem pensa que só grandes empresas podem investir em energia solar", frisa Mauro Cendron, diretor Comercial da Magnani Luz e Energia.

Precursora junto à RGE

A Magnani foi a primeira empresa caxiense a conquistar homologação do sistema de energia solar junto à Rio Grande Energia (RGE). Quem ingressa no segundo andar da empresa, na Perimetral Norte, em Caxias do Sul, já se impressiona. Numa sala, com amplos monitores, as equipes conferem em tempo real os gráficos de rendimentos das usinas de energia solar e diagnosticam possibilidades de melhora na geração, o que assegura agilidade de interferências técnicas que possibilitam melhor performance e, consequentemente, maior economia na conta da luz.

Embora os clientes de energia solar tenham acesso a informações por meio de um aplicativo no celular, nem sempre eles têm tempo, conhecimento e disponibilidade para acompanhar a evolução dos dados, o que faz dessa plataforma da Magnani um grande diferencial no mercado, amparando a sua expansão ano após ano.

A plataforma consegue apontar quanto a usina gera diariamente, mensalmente e anualmente, comparar o desempenho dela com outras da mesma região e ver se ela está atingindo o desempenho desejável ou não, além de visualizar os créditos para a próxima fatura, com relatórios.

Não há limitação de distância para o monitoramento, que pode abranger usinas de energia solar em todos os estados do território nacional.

Uma das maiores distribuidoras WEG no Estado

Não à toa, a Magnani tornou-se uma das maiores distribuidoras de materiais elétricos da fabricante WEG, com certificação 5 estrelas para o fornecimento e instalação de soluções em energia solar.

Entre as certificações que a Magnani possui estão as homologações junto ao sistema financeiro, que garantem condições diferenciadas de financiamento para os clientes. Dessa forma, a economia gerada pelo sistema é transferida para investimento, transformando custo de energia elétrica em patrimônio.

Curiosidade: o nicho da energia solar vive um momento sem precedentes no Brasil, alterando a matriz energética com dois objetivos por parte dos clientes: redução de custo com a luz e aposta na sustentabilidade. Em 2020, mesmo diante do cenário da pandemia, a capacidade energética do setor cresceu 52%, e surgiram cerca de 450 novas empresas a cada mês, conforme mapeamento do Portal Solar.

Magnani Luz e Energia

Caxias do Sul: Avenida Rubem Bento Alves, 4.549, Perimetral Norte, bairro Santa Catarina

Torres: Avenida Barão do Rio Branco, 876, Centro

Site: www.magnani.com.br

Um mercado radiante

yes A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) estima que, até o ano de 2024, mais de 1 milhão de consumidores devem passar a gerar a própria energia.

yes O tempo médio de retorno do investimento em geração de energia solar para o cliente Magnani é de 3 a 5 anos.

yes Pesquisa realizada em 2020 pelo Portal Solar concluiu que apenas 12,3% das empresas que atuam com energia solar fotovoltaica estão no mercado há mais de quatro anos, enquanto a maior parcela delas (41,2%) está no ramo há menos de um ano.

yes O segmento atraiu mais de R$ 13 bilhões em investimentos em 2020, incluindo as grandes usinas e os sistemas de geração em telhados de pequenos imóveis comerciais e residenciais, informa a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR).

yes O valor bilionário repercutiu na criação de 86 mil novos postos de trabalho.