Caxias do Sul 19/04/2024

Caxias do Sul perde 2,9 mil empregos em maio

Com 151,4 mil funcionários com carteira assinada, a cidade contrata hoje 14.160 pessoas a menos do que há cinco anos
Produzido por Silvana Toazza, 02/07/2020 às 15:01:37
Caxias do Sul perde 2,9 mil empregos em maio
Indústria liderou o fechamento de vagas em maio
Foto: Edypo Alanis

A crise econômica decorrente de um problema mundial, o coronavírus, impacta com força o mercado de trabalho de Caxias do Sul. Em maio, as medidas de restrição contra a doença intensificaram um cenário preocupante: a cidade perdeu 2,9 mil empregos formais (com carteira assinada) – esse saldo é o resultado entre as 2 mil admissões e os 4,9 mil desligamentos.

Os dados foram divulgados nesta quinta-feira, dia 2, pelo Observatório do Trabalho da Universidade de Caxias do Sul (UCS), com base em informações do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

As baixas foram puxadas principalmente pela Indústria e pelos Serviços, que registraram o saldo de 1,8 mil e 773 desligamentos, respectivamente, em maio. É o terceiro mês seguido de dado negativo envolvendo o mercado de trabalho de Caxias, desde março, justamente no mês em que as regras de distanciamento social ganharam força na Serra.

No acumulado do ano, foram extintos 6,1 mil empregos formais em Caxias, contra a criação de 3,6 mil vagas no mesmo período do ano anterior. Nos últimos 12 meses, a cidade encerrou 9,6 mil empregos.

Em sete anos, 31.773 postos de trabalho a menos

Com esse número, Caxias do Sul abriga hoje 151,4 mil empregados com carteira assinada. Esse exército já foi bem maior. Em 2015, eram 165.560 trabalhadores formais. Ou seja, hoje estamos com 14.160 empregos a menos do que há cinco anos.

Se levarmos em conta 2013, ano em que Caxias do Sul teve seu auge de geração de empregos, com um contingente de 183.173 vagas formais, é possível afirmar que, sim, perdemos ao longo de sete anos, entre altos e baixos da economia (houve duas crises severas entre 2014/2015 e 2017/2018), 31.773 postos de trabalho.

É o equivalente a uma cidade inteira de menor porte que perdeu colocação. Uns migraram para a informalidade, outros abriram negócios e outros, ainda, esperam a oportunidade de voltar a trabalhar numa empresa. Os que estão empregados também vivem na insegurança de perder o ganho fixo.

Hoje, o futuro nos apresenta mais interrogações do que certezas. O novo mundo é desafiador.