Caxias do Sul 18/05/2021

Apesar da queda de receita, Marcopolo se mantém como líder de mercado

Fabricante caxiense tem uma fatia de mais da metade do setor de carrocerias de ônibus no país
Produzido por Silvana Toazza, 04/05/2021 às 09:56:23
Apesar da queda de receita, Marcopolo se mantém como líder de mercado
Foto: Edypo Alanis

A crise da Covid-19 desafiou o setor de transportes, mas a Marcopolo conseguiu manter-se no pódio como líder de mercado. A fabricante caxiense responde por 51,6% de participação no segmento de carrocerias para ônibus do país. Mesmo assim, no primeiro trimestre, a produção total da Marcopolo atingiu 3.016 unidades, 12,4% inferior ao mesmo período do ano passado. Já a receita líquida somou R$ 834 milhões de janeiro a março, freio de 9,3% no mesmo comparativo.

Apesar dos números negativos, mas bem melhores da média geral do setor, dois filões garantiram a manutenção de força nas estradas:

1º) O fretamento contribuiu para os negócios no primeiro trimestre deste ano, principalmente nos segmentos de rodoviários, micro-ônibus e Volare.

2º) As vendas ao poder público também permanecem aquecidas, impulsionadas pelo programa federal Caminho da Escola. Para se ter uma dimensão, no primeiro trimestre, a companhia entregou 761 unidades para o programa - 397 micros, 40 urbanos e 354 modelos Volare.

"As entregas ao programa continuarão no segundo trimestre e deverão alcançar volume próximo ao total que vencemos na licitação de 2019, 4.800 unidades. Aguardamos a publicação de novo edital para a licitação do Caminho da Escola 2021/2022", afirma José Antonio Valiati, diretor corporativo de Controladoria e Finanças (CFO) e de Relações com Investidores da Marcopolo.

No horizonte, também são alvos de otimismo os mercado de rodoviários e micros, que serão beneficiados a partir do segundo semestre com a reabertura de escolas e universidades e com a retomada do turismo.

"O efeito sazonal que observamos regularmente no primeiro trimestre de cada ano somou-se a novos fechamentos de cidades, restrições de locomoção e aumento dos casos da doença, afetando os resultados da companhia e do setor", observa o executivo.

A saber: as exportações também foram impactadas pela segunda onda de Covid-19, totalizando 427 ônibus vendidos no primeiro trimestre deste ano, contra 648 unidades no mesmo período do ano passado.

A companhia negocia novos pacotes para o continente africano, com parte dos pedidos sendo transferida do primeiro para o segundo e o terceiro trimestres. As operações na Austrália e na Argentina apresentam perspectivas positivas. O mercado australiano está praticamente normalizado e o argentino continua necessitando renovar a frota de ônibus urbanos.

Números do primeiro trimestre de 2021

A Produção Total da Marcopolo atingiu 3.016 unidades, 12,4% inferior ao primeiro trimestre de 2020.

A Receita Líquida somou R$ 834,0 milhões, redução de 9,3% ante o primeiro trimestre de 2020.

O Lucro Bruto atingiu R$ 100,5 milhões, com margem de 12%.

O EBITDA totalizou R$ 23,5 milhões, com margem de 2,8%.

O Prejuízo Líquido foi de R$ 14,7 milhões, com margem de -1,8%.