Caxias do Sul 30/10/2020

Os setenta anos do cãozinho mais amado do planeta

Mundo celebra em outubro o aniversário da estreia da tirinha de Charlie Brown e sua turma
Produzido por Marcos Fernando Kirst, 07/10/2020 às 17:51:10
Os setenta anos do cãozinho mais amado do planeta
Foto: DIVULGAÇÃO

POR MARCOS FERNANDO KIRST

Pode um cachorrinho de estimação, por mais simpático e amigo que seja, alcançar a idade de 70 anos? Bem, em condições anormais de temperatura e pressão, pode, sim.

Essas especificações peculiares incluem uma fórmula bem rara, que pressupõe o animalzinho em questão ser da raça beagle, saber se comunicar com os humanos pelo pensamento, possuir um charmoso ar blasé, adotar como amigo do peito um pequeno pássaro amarelo, dormir de costas sobre o teto de sua casinha olhando as estrelas (inclusive quando chove), pilotar imaginariamente um avião na condição de ás da Primeira Guerra Mundial combatendo o Barão Vermelho e, o mais importante de tudo, habitar o universo fantástico das histórias em quadrinhos.

Reunindo todas essas características, não só é possível o simpático cãozinho atingir a longeva idade de sete décadas plenamente ativo e sadio, como também sobreviver por ainda muito mais tempo no imaginário e no coração dos leitores. É assim que se dá com SNOOPY, a genial e imortal criação do cartunista norte-americano Charles Schulz (1922 – 2000), que celebra neste mês de outubro de 2020 seus 70 anos de existência. Snoopy, como todos sabemos, é o cachorrinho filósofo de estimação do amargurado e paranoico garoto Charlie Brown, que, com seus amigos (Lucy, Linus, Schroeder, Patty, Marcie, Sally, Franklin...), forma a turminha conhecida como Peanuts (“Amendoim”).

A primeira tira de Peanuts estreou em jornais norte-americanos em 2 de outubro de 1950. Snoopy surgiria já dois dias depois, na terceira tira, apesar de ainda sem o nome que o imortalizaria. Dali até 12 de fevereiro de 2000, Schulz publicaria tiras diárias e dominicais ininterruptamente, contabilizando um total de 17.897 tiras, absolutamente todas roteirizadas e desenhadas por ele.

A tirinha de estreia, em 2 de outubro de 1950:

Snoopy aparece já em 4 de outubro de 1950:

Nos últimos anos de sua vida, o cartunista foi acometido pelo Mal de Parkinson, o que passou a comprometer sua produção, especialmente no quesito da firmeza das mãos para desenhar. Publicou a derradeira tirinha de Peanuts em 3 de janeiro de 2000 e faleceu pouco mais de um mês depois, em 12 de fevereiro, aos 77 anos. Era seu desejo que seus personagens não prosseguissem sendo desenhados e roteirizados por outros artistas após a sua morte, pedido que vem sendo respeitado e salvaguardado por seus familiares.

Charles Schulz e seu imortal personagem de estimação

Sendo assim, Peanuts, com as aventuras psicológicas de Charlie Brown, Snoopy & Cia, transformou-se em uma extensa obra acabada, reunida em uma elegante coleção de 25 volumes em capa dura que a editora L&PM vem traduzindo e lançando aos poucos no Brasil (já vieram a público os 10 primeiros volumes). Ler e reler as tiras é, sim, um passatempo da mais alta qualidade para os próximos 70 anos da vida de qualquer um de nós.