Caxias do Sul 18/08/2022

O talento de Alfredo Bedin resgatado em exposição no Campus 8 da UCS

Mostra, que abre na quarta-feira, dia 23, é fruto da catalogação do acervo do artista caxiense
Produzido por redação, 21/02/2022 às 16:43:53
O talento de Alfredo Bedin resgatado em exposição no Campus 8 da UCS
Foto: DIVULGAÇÃO

Importante figura na história cultural de Caxias do Sul, o artista plástico caxiense Alfredo Bedin (1922 - 2000) deixou como legado um acervo superior a cinco mil produções, entre pinturas, gravuras e desenhos divididos em originais ou exercícios de reprodução de obras de outros pintores.

As artes de Alfredo Bedin foram armazenadas pela família e nunca classificadas. Os "guardados" de Bedin passaram por um processo de catalogação e o resultado desse trabalho pode ser acompanhado durante a exposição "Alfredo Bedin: Entre o exercício e o ofício da arte", que abre nesta quarta-feira, 23 de fevereiro, na Galeria de Arte do Campus 8 da Universidade de Caxias do Sul (Rodovia RS-122 - Km 69 s/n). Essa é a segunda exposição do projeto cultural que busca conservar o legado do artista.

De segunda a sexta-feira, das 8h às 22h, a população caxiense poderá apreciar 30 obras selecionadas que apresentam as três linguagens que Bedin trabalhava: desenho, pintura e monotipia. Foram investigados os primeiros trabalhos originais, produzidos entre os anos 1950 e 1960, e os temas que o artista se dedicava a desenvolver, como paisagens, figura humana, natureza morta e alguns outros estudos.

Entre as produções, destaca-se o uso de grafite, giz de cera, pincel, nanquim e têmpera. A iniciativa do projeto é da filha do artista, Isabel Inês Bedin, fiel depositária do acervo artístico.

Versatilidade de técnicas do artista pode ser conferida na exposição (Foto: Divulgação)

Quando descobriu a produção de Alfredo Bedin, a curadora da exposição e professora de História da Arte da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Silvana Boone, iniciou um trabalho de análise do conjunto das obras, buscando resgatar, inicialmente, a qualidade técnica, mas, principalmente, tentando encontrar uma criação mais genuína, para além das inúmeras releituras da história da arte. No acervo de cerca de cinco mil "exercícios", guardados de forma aleatória, uma pequena parcela de trabalhos apresentou-se como obras originais, concebidas na sua essência, pelo próprio artista.

Além da curadoria de Silvana Boone, a catalogação das peças é assinada pela artista e professora Jane De Bhoni, que classificou o acervo a partir das diferentes linguagens, técnicas e, principalmente, dos aspectos de originalidade. A produção cultural é de Claudio Troian.

A mostra segue aberta para visitação até o dia 30 de março, sempre de segunda a sexta-feira, das 8h às 22h. A exposição conta com financiamento da Lei de Incentivo à Cultura de Caxias do Sul.