Caxias do Sul 18/08/2022

No soar das vozes, o vislumbre do sublime

Grupos vocais ao redor do mundo proporcionam encantamento com arranjos que reinterpretam o pop, o rock e a MPB
Produzido por Marcos Fernando Kirst, 21/05/2020 às 11:27:40
No soar das vozes, o vislumbre do sublime
Grupo Vocal Ordinarius, do Rio de Janeiro
Foto: DIVULGAÇÃO

POR MARCOS FERNANDO KIRST

Alguém já disse, certa vez, em algum lugar (vê-se bem que a precisão histórica e a jornalística chegaram atrasadas hoje à bancada deste cronista), que a voz humana é o mais belo dos instrumentos musicais. Outro alguém, em outro lugar, em outra feita (seguem ausentes ainda as precisões, e nada impede crermos que o alguém, o lugar e o momento possam ser os mesmos), assegurou que os instrumentos, na verdade, procuram imitar a miríade (as imprecisões sendo compensadas com o vocabulário rebuscado) de sons da voz humana. Ao reler este primeiro parágrafo ignorando as intercalações interruptivas dos parênteses, percebo que concordo com o que eu mesmo escrevi.

De fato, a voz humana cantada, quando melodiosa, afinada e proveniente da essência e do talento de quem canta, é encantadora, arrebata, provoca o êxtase inexplicável do contato da alma com o sublime. Daí a razão de os grupos de canto coral emocionarem tanto as audiências ao redor do planeta, no transcorrer dos séculos. Na modernidade, o pop e o rock também vêm sendo vertidos em arranjos para grupos vocais, que alimentam nossos ouvidos e nossas essências com o toque sutil dessa arte sublime que aproxima o humano do divino.

Aqui, nos links, uma seleção de alguns grupos que se dedicam a essa modalidade canora, para que se possa sentir o som.

Primeiro, o brasileiríssimo e carioca GRUPO VOCAL ORDINARIUS, na ativa desde 2012:

BEAT IT

VALERIE (com a participação surpreendente da jovem Beatriz Lomelino)

O QUE É QUE A BAIANA TEM? (divertidíssimo!)

Agora, a beleza das harmonias vocais de um quarteto canadense feminino chamado THE FOUR QUARTERS SINGING GROUP:

MR. POSTMAN (aqui com a participação especial de Stephen, irmão de uma das moças)

REMEMBER ME, BABY (também com Stephen e seu estiloso chapéu)

E também o encantamento provocado pelas vozes do casal norte-americano (de Boston) THE RUNNING MATES (Julie e Spencer Broschard):

DREAMS

WHAT´S UP?

NEED YOU NOW

SENTE OS SONS!