Caxias do Sul 14/06/2021

No mês do trabalhador, o desafio de atrair e reter talentos

Empresas com funcionários capacitados e experientes enfrentam melhor a crise e até crescem nela. Confira a história de uma profissional que está há 33 anos na mesma companhia
Produzido por Silvana Toazza, 17/05/2021 às 10:12:05
No mês do trabalhador, o desafio de atrair e reter talentos
Leonira Benetti Pauletti é a mais antiga funcionária da Magnani Luz e Energia
Foto: Mauro Martins

Por SILVANA TOAZZA

Atrair e reter talentos é um dos grandes desafios do mercado de trabalho, uma vez que empresas consolidadas valorizam suas equipes, que, unidas, conseguem enfrentar melhor os momentos de adversidade, como o imposto pela pandemia.

A Magnani Luz e Energia se enquadra nesse conceito e tem orgulho do time de trabalho que construiu ao longo de seus 50 anos de existência e que assegura crescimento nos negócios mesmo diante da crise da Covid-19 (houve avanço de 50% no faturamento em 2020 e previsão de 30% em 2021).

Neste mês do trabalhador, a empresa, com sede em Caxias do Sul e filial em Torres, enaltece sua baixa rotatividade de funcionários. A palavra “demissão” pouco entra no vocabulário, mas sim “admissão”: ao longo do período de pandemia, a equipe de trabalho da companhia registrou acréscimo de 15%, passando de 50 para 58 funcionários – 48 na matriz caxiense e 10 na filial no Litoral Norte.

“A gente tem hoje uma equipe comprometida, é o nosso diferencial. Eles são engajados com o resultado”, salienta Renata da Rosa, analista de Recursos Humanos da Magnani.

Em mais de um ano de Covid-19, apenas quatro colaboradores foram contaminados, graças ao respeito às normas de higiene e distanciamento, garantindo a manutenção plena da operação, classificada como serviço essencial.

“Aqui, cada pessoa faz a diferença, e elas sabem disso”, frisa Renata.

Baixa rotatividade e longevidade

Paulo Magnani, diretor geral da empresa que leva seu sobrenome, circula com desenvoltura entre os funcionários e os conhece pelo nome. Troca ideias, pede informações, dá orientações e muita autonomia às equipes.

“Há pessoas que nos dão orgulho de dizer que trabalham com a gente”, expressa o empresário, que já foi presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Caxias do Sul.

Seu Paulo vem capacitando as equipes de forma a garantir técnicos preparados para fazer frente aos vários braços de atuação da Magnani, tais como materiais elétricos, energia solar, carregadores de carros elétricos, itens de automação residencial, entre outros. No elenco de profissionais, há, por exemplo, engenheiros, orçamentistas, projetistas, eletrotécnicos, eletricistas e até pilotos de drones (para captar imagens das usinas de energia solar).

Funcionária mais antiga: 33 anos de casa

Uma dessas pratas da casa é Leonira Benetti Pauletti (foto acima), 59, que atua há 33 anos na Magnani Luz e Energia. É a mais antiga funcionária da empresa, tendo ingressado poucos anos após a Cemin & Cia ter sido substituída pela marca Magnani. Aficionada por números e datas, ela lembra na ponta da língua o dia em que começou a atuar na empresa: 14 de janeiro de 1988, uma segunda-feira, na época, no endereço na Rua Pinheiro Machado, no bairro São Pelegrino.

Quando iniciou na Magnani, há mais de três décadas, havia apenas sete funcionários (hoje, são 58). Por isso, acumulava as funções de caixa e de responsável pelas contas a pagar e a receber. Conquistou reconhecimento pela simpatia, espontaneidade e capacidade de avaliação no desempenho da função de analista de crédito e cobrança, uma área que domina e na qual diz sentir “total segurança”. É ela quem tem condições de avaliar a capacidade de crediário do cliente, ao mesmo tempo em que busca não perder a venda e nem colocar a saúde financeira da empresa em risco.

“Me sinto com muito compromisso. Mas tenho autonomia para tomar as decisões. Ninguém questiona. Eu gosto do que eu faço, de lidar com o cliente”, salienta Leonira, orgulhando-se do percentual irrelevante no quesito “inadimplência”, por conta de sua análise detalhada, zelosa e justa, sempre buscando alternativas que ajudem o consumidor.

Nascida em Campestre da Serra, aos dois anos e quatro meses de idade (é detalhista com números) mudou-se para Vila Segredo, distrito de Vacaria, hoje pertencente a Ipê. Mas foi em Caxias do Sul que construiu sua trajetória profissional e criou, ao lado do marido, seus dois filhos - Tobias (27 anos) e Thomas (24).

Foi aqui também que aprendeu o valor do trabalho, pois “passa-se mais tempo com os colegas do que em casa”. Como se manter por 33 anos no mesmo posto e continuar trabalhando mesmo depois da aposentadoria? Como edificar uma carreira sólida e conquistar reconhecimento?

Leonira tem uma resposta direta, sem rodeios:

“Se tem problema em casa, deixar em casa. Se tem problema no trabalho, deixar no trabalho”, sentencia, sabendo dividir bem as funções, sem que uma impacte no desempenho da outra.

Também faz questão de dar uma dica aos mais jovens sobre a importância de não se acomodar e primar sempre pela qualificação, com cursos técnicos e de aprimoramento.

“Aprender não ocupa espaço. Nunca se deve desistir do objetivo”, deixa ela como mensagem.

Em tempos de relações superficiais tanto no trabalho quanto na vida, Leonira é uma inspiração neste mês do trabalho e das mães.

Para saber:

A pandemia da Covid-19 fez com que Caxias do Sul perdesse 1.771 empregos em 12 meses

No entanto, no acumulado de 2021, a cidade já gerou 4.379 postos de trabalho, numa clara evidência de recuperação, puxada pela indústria

Magnani Luz e Energia

Caxias do Sul: Avenida Rubem Bento Alves, 4.549, Perimetral Norte, bairro Santa Catarina

Torres: Avenida Barão do Rio Branco, 876, Centro

Site: www.magnani.com.br

Leia também:

Energia solar escancara um mercado com sombras

É possível acender e apagar luzes sem risco de contaminação pela Covid-19