Caxias do Sul 27/02/2021

“Mudanças de atitude e até de foco foram necessárias”

Novo presidente da Microempa avalia os desafios às pequenas empresas diante das dificuldades provocadas pela Covid-19
Produzido por Silvana Toazza, 05/02/2021 às 13:31:00
“Mudanças de atitude e até de foco foram necessárias”
Pedro Steffens assume a presidência da entidade para o biênio 2021/2022
Foto: Alencar Jones Turella

POR SILVANA TOAZZA

As pequenas empresas são conhecidas pela força, bravura e persistência. E, em meio à crise da Covid-19, precisaram mostrar ainda mais seu poder de resiliência para se manter no mercado.

Sim, e elas comprovam diariamente que são orgulho e inspiração. Em Caxias, a Associação das Empresas de Pequeno Porte da Região Nordeste do RS (Microempa) congrega 2,8 mil associados. Empresários de diversos setores que se unem, trocam experiências e lutam pelos mesmos propósitos.

À frente dessa causa está Pedro Eloi Steffens, empresário do ramo moveleiro, que acaba de assumir a gestão 2021/2022 da entidade. Para 2021, a nova diretoria da Microempa tem como meta ampliar em 10% o número de empresas associadas em 17 Núcleos Setoriais. Ou seja, seriam 280 companhias a mais congregadas pela Microempa, se o objetivo for alcançado.

Em entrevista exclusiva ao site, na seção “Conversa Afiada”, Pedro Eloi Steffens, 60 anos, gestor da Móveis Steffens, revela os desafios à frente da entidade, à qual dedica-se há 29 anos. Confira:

Como você encara o desafio de assumir uma entidade tão importante de representatividade das micro e pequenas empresas?
É uma grande honra e também uma oportunidade de fazer ainda mais. Participo ativamente da diretoria da Microempa há 29 anos, tendo auxiliado na construção dos núcleos setoriais e diversos outros projetos ao longo dessa caminhada. Tenho o associativismo empresarial como caminho para que o micro e pequeno empreendedor possa crescer e se desenvolver cada vez mais.

De que forma a pandemia impactou no setor?
Cada setor reagiu de uma forma diferente, mas sem dúvida nenhuma a pandemia da Covid-19 foi um desafio enorme para muitos micro e pequenos empresários, pois os obrigou a tomar decisões intuitivas frente a um cenário de incerteza. Além disso, mudanças de atitude e até de foco foram necessárias para se adaptar e seguir produzindo.

2020, um ano de...
Reflexão. 2020 foi um ano para ser esquecido em alguns aspectos, porém que trouxe muito aprendizado e que nos obrigou a sair da nossa zona de conforto e fazer diferente.

O ano de 2021 se apresenta como?
Um ano com tendências positivas. Temos muita expectativa de que os exemplos positivos de mudança e inovação que vimos ao longo de 2020 auxiliarão as micro e pequenas empresas a retomar o fôlego a partir de um cenário de normalidade e segurança.

Quais os grandes obstáculos aos pequenos empreendedores?
Atualmente, questões como baixo capital de giro, pouco conhecimento e investimento em gestão de negócio, dificuldades no planejamento a médio e longo prazo e a falta de ferramentas de venda são grandes entraves para o crescimento do micro e pequeno empreendedor. Questões sobre as quais iremos nos debruçar e buscar soluções ao longo da nossa gestão.

Quais as grandes conquistas dos pequenos empreendedores?
As questões relacionadas à formalização. O reconhecimento do Microempreendedor Individual - MEI e, principalmente, do Simples Nacional, que foi uma demanda defendida pela Microempa ao longo de várias gestões, são vitórias que trazem segurança aos micro e pequenos negócios.

Qual sua bandeira à frente da entidade?
O associativismo empresarial como energia motriz dos micro e pequenos negócios. Vamos atuar fortemente no fomento e na prospecção de novos negócios entre os 2,8 mil associados da entidade, avaliando e melhorando constantemente nossos processos e o nosso apoio ao empreendedor.

Qual a característica principal para vencer no mercado?
Creio que não haja uma só característica, mas uma combinação de ações e de posturas, como a busca constante por qualificação profissional, estar atento ao mercado e à concorrência e estar aberto ao associativismo, a buscar soluções em conjunto. Hoje, o mercado é cooperativo e interligado.

Que dicas daria a empreendedores desiludidos pelo cenário de instabilidade?
Antes de qualquer coisa, aconselho buscar qualificação profissional, sempre. Conhecimento é essencial em qualquer área. Mas, além disso: diversificar sempre que possível, fazer pesquisas de mercado para tomar decisões baseadas em dados e, reforço, buscar o associativismo. Entidades, como a própria Microempa e outras como Sebrae, estão preparadas para auxiliar o micro e pequeno empreendedor a tomar as melhores decisões.