Caxias do Sul 18/08/2022

De rainha do Festival do Chopp a expert em investimentos

Conheça Márcia Dullius que, após 32 anos de atuação no Banco Santander, prova que é movida a desafios e integra a linha de frente da RioSul Agentes Autônomos de Investimentos, de Caxias do Sul
Produzido por Silvana Toazza, 06/06/2022 às 11:49:17
De rainha do Festival do Chopp a expert em investimentos
Márcia Dullius não combina com acomodação
Foto: Maria Zotti

POR SILVANA TOAZZA

Ao receber moedinhas de mesada quando criança, na cidade natal de Feliz, ela já poupava e ingressava saltitante com a avó numa agência bancária para depositá-las. Guardava naquele banco, na época o Sulbrasileiro, hoje extinto, o sonho de ver o dinheiro aumentar e o futuro prosperar. Não teve dúvidas. Sentenciou à mãe: “quero trabalhar num local assim quando crescer para cuidar do meu dinheiro.”

A partir daí, o destino se encarregou de fazê-la trilhar um caminho de ascensão profissional pautado sempre por sua coragem e resiliência. Aos 17 anos, Márcia Dullius passou num concurso público e carimbou o seu passaporte rumo ao mundo financeiro. Conquistou uma vaga no então Meridional, coincidentemente o banco originado do Sulbrasileiro, transformado posteriormente no Banco Santander, onde notabilizou-se no público de alta renda, em cargos de gestão e liderança de equipes.

Foram 32 anos de experiência em bancos consolidados e com passagens por cidades como Feliz, São Leopoldo, Novo Hamburgo, São Sebastião do Caí, Campo Bom e Caxias do Sul. Sua palavra-chave: comprometimento. A segunda: resiliência. A terceira: coragem.

A menina simpática, alta, esguia, de sorriso doce e corajosa fez de sua infância simples "na Feliz", como gosta de frisar, onde brincava de boneca feita com milho, no caso dela com os cabelinhos loiros, combustível para nunca desistir. Conquistou uma vaga num colégio de freiras, onde lapidou seus estudos, reforçando o inglês nas horas vagas.

Ao lado de seu ingresso jovem no mercado de trabalho, também se destacava nos esportes e concursos de beleza. Na adolescência, ganhou alguns concursos, mas mirava mesmo era o posto de rainha do Festival do Chopp de Feliz. Na primeira vez, não conseguiu. Ficou com o prêmio de princesa do evento. Não teve dúvidas: anos depois, ao ser convidada, novamente se candidatou, desfilou e.... Foi coroada a Rainha do Festival do Chopp de Feliz em 1991, com então 20 anos.

Em março de 2017, Márcia desfilou no Festival do Chopp numa homenagem às ex-rainhas. Utilizou o mesmo traje de 1991

“Minha mãe dizia: 'pode participar de concursos, mas não temos condições. Então, não chore se não ganhar.' Mas eu não dizia que não iria chorar, dizia que iria ganhar. Estudava, sabia o que falar, me destaca pelo conteúdo, e não tanto pela beleza”, frisa Márcia, denotando a modéstia e o seu perfil estratégico.

Tirando o recorte da sua vida de "celebridade" em concursos de beleza, Márcia corria contra o tempo para também se evidenciar na passarela financeira, enfrentando desafios, aceitando mudar de agências, cidades, cargos, com foco sempre em se desafiar e oferecer excelência ao cliente.

Aliás, foi com esse pendor para se desafiar que Márcia Dullius deu mais um vital passo em uma carreira já consolidada no mercado. Entendeu que sua contribuição junto a agências bancárias tradicionais estava se esgotando e a vida pedia mais.

Daltro Galli, Márcia Dullius e Vanderlei Mello conjugam talento na RioSul Investimentos (Foto: Maria Zotti)

Aceitou de novo o chamado da vida. Ao lado dos sócios Daltro Galli e Vanderlei Mello, Márcia é uma das caras da RioSul, agência autônoma de investimentos de Caxias do Sul, inaugurada em meados de 2021 no bairro São Pelegrino. Os três nomes na linha de frente da empresa, única da Serra Gaúcha credenciada exclusiva à Modalmais, somam um século de experiência junto ao setor bancário.

O que os move: auxiliar o cliente a melhorar a performance de seus investimentos. Tanto que a RioSul já almeja esparramar seu raio de atuação para outras duas cidades gaúchas.

“Você deve saber o momento em que precisa ter uma nova motivação para construir uma nova história e não se frustrar depois. Preferi sair do banco tradicional com as minhas próprias pernas para abraçar uma nova oportunidade. Não tem vida mansa, não tem vida ganha, é sempre transpiração, muito trabalho. O resultado é uma consequência”, afirma Márcia, em entrevista exclusiva ao portal de notícias.

A profissional é graduada em Ciências Econômicas pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), pós-graduada em Marketing com Ênfase em Vendas pela Universidade Feevale RS, tem MBA em Master em Gestão de Negócios pelo Instituto de Ensino e pesquisa – INSPER SP, além de certificações significativas como especialista em investimentos.

Confira a seguir a entrevista exclusiva concedida à seção Conversa Afiada deste portal de notícias por Márcia Dullius, a menina da Feliz que despreza a palavra “não”:

Fale um pouco de sua experiência na área financeira.
Iniciei minha trajetória na área financeira aos 17 anos, quando conquistei a aprovação no concurso público do Banco Meridional. Posteriormente, esse banco foi privatizado e vendido para o Bozano Simonsen, que, na sequência, o vendeu ao Banco Santander. Trabalhei nessa instituição por 32 anos, com atuação nas praças de Feliz, São Leopoldo, Novo Hamburgo, São Sebastião do Caí, Campo Bom e Caxias do Sul. Fui gestora de agência durante 22 anos e, nesse período, atuei em quatro agências distintas. Cheguei em Caxias do Sul em 2009 para assumir a maior agência do Santander e, em 2014, aceitei o desafio de implantar a segmentação de alta renda na cidade.

Você nunca se acomodou?
Durante minha vivência bancária, sempre mergulhei nos estudos, além da graduação em economia, pós em marketing, com ênfase em vendas, e master em gestão de negócios pelo Insper SP. Tive a oportunidade de fazer uma imersão empresarial na Walt Disney Company para conhecer a formatação de seu atendimento ao cliente, desde o momento da contratação de seus funcionários até sua atuação para encantar genuinamente o público, propiciando com segurança, cortesia, show e eficiência um belíssimo espetáculo para quem visita a Disney. Conquistei diversas certificações importantes na área de investimentos, como a CEA, que habilita profissionais do mercado financeiro atuarem como especialistas de investimentos e, por último, a CFP, uma certificação internacional de distinção, que prepara o profissional para o exercício da atividade de planejador financeiro pessoal. Essa certificação engloba, além da parte de investimentos, a área de previdência, seguros, planejamento fiscal, sucessório, financeiro e ética. No Brasil, apenas 7000 profissionais possuem esta certificação.

É complexo atuar nesse mercado instável. Como se mantém atualizada?
Precisa gostar do que se faz, pois tudo o que se faz com dedicação e disciplina, flui melhor. Para se manter nesse mercado, é fundamental estar bem informado, a informação é primordial para uma atuação assertiva. É indispensável participar de lives de economistas, acompanhar sites de notícias focados no que acontece diariamente no mercado mundial e brasileiro e estar atento aos movimentos que podem levar a uma tomada decisão mais adequada para o seu cliente. Diariamente, recebemos informações dos nossos economistas, bem como das empresas parceiras. Obviamente que você precisa acompanhar também a concorrência para ver o comportamento do mercado. Nosso ecossistema é composto por diversas empresas, uma delas é a Eleven Financial Research, uma casa independente de análises financeiras, que disponibiliza também diariamente relatórios e informações sobre mercado e investimentos, com qualidade técnica e alta reputação, com objetivo de orientar os investidores sobre as melhores escolhas de ativos para a sua carteira de investimentos. A Eleven Financial Research foi eleita a “Melhor Casa de Análise Independente de Valores Mobiliários” em 2021, numa votação direta e realizada por analistas.

O momento é de investimentos cautelosos ou arrojados?
Diria que o momento está mais propício aos investimentos cautelosos. Dadas as circunstâncias dos aumentos sucessivos da taxa de juros, o investidor acaba preferindo operações mais conservadoras, que lhe garantam uma rentabilidade atrelada à taxa de juros básica da economia. Porém, cabe salientar que essa decisão está diretamente ligada ao perfil do investidor, ao seu momento de vida e sua disponibilidade de correr riscos. Há quem goste de buscar ganhos mais elevados em momentos de alta volatilidade, como o que vivemos neste momento. Ou seja, é o perfil do investidor que determina quais ativos ele deseja manter em sua carteira.

A RioSul completou um ano de história em maio. Quais os desafios e as conquistas neste primeiro ano?
Constituímos a empresa em meio à pandemia, com um cenário nada animador.... distanciamento, interações por meio eletrônico e visitas presenciais somente em última instância. No entanto, como dizem, “é na crise que se cresce”. Buscamos no apoio dos clientes de nosso relacionamento os pilares que sustentam nossa operação. Talvez estejamos crescendo de forma mais lenta e gradual, porém assertiva, porque todo cliente satisfeito nos recomenda e isso impulsiona nossas conquistas e, por consequência, oportuniza a contratação de mais assessores para atender com qualidade e pessoalidade nossos clientes.

A equipe de corretores cresceu?
Sim. Quando iniciamos a operação, estávamos em seis pessoas, e neste mês chegamos a nove, com a contratação de mais três assessores para compor a equipe. Eles passaram por treinamento e já estão atuando ativamente, interagindo e assessorando nossos clientes.

Há previsão de expansão da empresa para outros mercados?
Tudo a seu tempo... Certamente temos sonhos, no entanto, a realidade nos mantém firmes no propósito de fazer com qualidade o que nos propusemos, e a expansão, quando acontecer, será uma consequência desse trabalho, através da valorização de cada cliente que se juntou a nós nesta caminhada.

Como fazer frente a um mercado tão concorrido e que gera insegurança por parte dos clientes?
Diria que há muito espaço pra expandir neste mercado, visto que aproximadamente 80% dos investidores ainda continuam concentrados nos maiores bancos tradicionais. Para evoluir nesse mercado, é de suma importância a disseminação dos produtos e serviços ofertados pelas corretoras. É sabido que elas apresentam custos baixos e, por atuarem com plataformas abertas, oferecem produtos com rentabilidades mais atrativas e que podem apoiar a evolução do patrimônio de forma mais acelerada. Além disso, para fazer frente à competição crescente, uma das ofensivas foi agregar produtos bancários aos clientes, como conta digital e cartões, e assim ter uma instituição financeira completa, podendo o cliente abandonar a antiga conta do banco tradicional e concentrar sua vida financeira numa corretora que possui esta plataforma completa.

Como avalia 2022? De que forma o ingrediente eleitoral pesa no cenário?
Um cenário desafiador, com inflação em alta pelo mundo, guerra entre Rússia x Ucrânia, com sanções aplicadas pelas principais economias mundiais e que interferem na cadeia produtiva e na de consumo global. Por sermos um país dependente de outras economias, sentimos por aqui o efeito desses cenários. Com uma política monetária de sucessivos aumentos da taxa de juros no Brasil, a tendência é que a população e empresas comprem menos e, com isso, os preços baixem, reduzindo a inflação.

Em um contexto de alta da inflação e de juros altos, como manter a liberdade financeira, sem se endividar e nem corroer o capital financeiro?
Num contexto de alta inflação e juros mais caros, os empréstimos, financiamentos e compras parceladas pesam no bolso, portanto, não compre o que não for necessário. Avalie quanto custa para seu bolso comprar algum produto ou serviço de forma parcelada. Na prática, evite gastos extras. É imprescindível ter um planejamento financeiro mensal, com análise clara de todos os custos e receitas, buscando reduzir gastos supérfluos e sem recorrer a empréstimos e/ou uso de cartão de crédito, bem como limite de cheque especial. Esses custos se tornaram extremamente pesados, frente ao aumento da taxa de juros básica da economia. Cabe lembrar que, em janeiro/2021, a taxa de juros básica da economia Selic estava em 2% ao ano e, em 04/05/22, o Copom decidiu por mais um aumento, passando a taxa a 12,75% anuais. Desde o mês de março de 2021, foram 10 altas consecutivas na taxa de juros. O momento é oportuno para guardar recursos, aproveitando essa alta da taxa de juros, aplicando seu dinheiro em investimentos que usam a taxa como base para remunerar os investidores, bem como investimentos atrelados ao índice da inflação para assim manter, ao menos, seu poder de compra.

Que lição deixaria a investidores?
Não deixe para amanhã o que pode ser feito hoje. Acompanhe seus investimentos, converse periodicamente com seu assessor e diversifique seus riscos. Coloque seus sonhos no papel, quantifique o que deseja acumular para usufruir de sua liberdade financeira. Não terceirize seus planos, só você sabe o que é mais importante em sua vida. Busque produtos que estejam alinhados com seu perfil. O que pode ser bom para mim, não necessariamente será para você. Saiba que não há milagre que multiplique seus ganhos acima da realidade. Importante é ter estratégia para diversificar e proteger seus ativos de acordo com o seu perfil e momento que vivenciamos.

A empresa

A RioSul Investimentos é uma empresa de agentes autônomos de investimento devidamente registrada na Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

Endereço: Avenida Rio Branco, 247, sala 501, bairro São Pelegrino, em Caxias do Sul, nas proximidades do Bourbon Shopping San Pellegrino

Site: https://riosulinvestimentos.com.br/

Fones: (54) 99669-4733 | (54) 3533-4733

Leia também:

Novo escritório de investimentos une 100 anos de experiência dos três sócios