Caxias do Sul 05/12/2021

A arte visual de Nilton Dondé em exposição em Caxias do Sul

Mostra “camadatempo: desengavetando memórias”, chega à Galeria de Artes do Centro de Cultura Ordovás
Produzido por redação, 06/10/2021 às 08:18:26
A arte visual de Nilton Dondé em exposição em Caxias do Sul
Foto: Nilton Dondé

A partir desta sexta-feira, 8 de outubro, a Galeria de Artes do Centro Municipal de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho passa a exibir a exposição “camadatempo: desengavetando memórias”, do caxiense Nilton Dondé. A curadoria é de Mara Galvani, que vem acompanhando a produção do artista desde a graduação, momento em que foi sua orientadora no Trabalho de Conclusão do Curso em Artes Visuais (Bacharelado).

A exposição, selecionada pela Convocatória de Arte – Exposições 2021, é a primeira individual do artista gaúcho, que segue em constante produção nos últimos anos, sempre com um pensamento voltado à memória. Trabalhando com a coleta de imagens e objetos que guardam lembranças de tempos perdidos, “camadastempos” que habitam gavetas esquecidas, Dondé recria e reconstitui afetos em outras configurações ao estabelecer relações e “conversas” com o presente.

FOTO: Nilton Dondé

"camadatempo: desengavetando memórias" reúne 45 obras em colagem, além de uma videoarte, uma intervenção em uma das paredes da Galeria e um livro de artista que integra uma das cinco séries da exposição que são:

O tempo é poesia (2019) é composta por dez colagens com materiais coletados e produzidos com resíduos, fotografias, trechos de livros, em especial de um livro de poesias (encontrado numa feira de antiguidades) e que se encontrava em deterioração.

Em Comum-de-dois (2019), o artista explora camadas de memórias a partir da colagem de dois mundos: colagem de corpos e colagem de tempos.

Os dois álbuns, apresentados na exposição, da série Álbuns de (des)afetos (2020), são a reconstrução do que antes guardava as memórias individuais e coletivas, momentos de família, rituais festivos – perdidos no esquecimento e descartados.

Nas obras da série Seres enraizados em passados constantes (2020), o artista explora a junção de materiais e elementos como fotografias, papéis e pequenas raízes encontradas na natureza, em suas caminhadas por lugares disparadores de lembranças e repletos de memórias afetivas.

Intravenoso (2021) constitui-se na série composta por bordados criando raízes sobre tecidos adquiridos em um antiquário de rua, e interferidos de maneira a sobrepor camadas.

"camadatempo: desengavetando memórias" permanecerá aberta à visitação do público até 7 de novembro no Centro de Cultura Dr. Henrique Ordovás Filho (Rua Luiz Antunes, 312 – Panazzolo) nas segunda-feiras das 9h às 16h; de terças a sextas das 9h às 22h; nos finais de semana das 16h às 22h.

Também poderá ser conferida através da plataforma UAV DIGITAL:

https://sites.google.com/view/uavdigital

Antes do encerramento da mostra, duas atividades integrantes da exposição serão oferecidas ao púbico: no dia 20 de outubro, às 19h, mediação com Nilton Dondé e Mara Galvani e, no dia 3 de novembro, oficina de colagem também ministrada pelo artista e pela curadora, ambas as ações, através do Google Meet. Para participar, os interessados deverão se inscrever gratuitamente também pela UAV DIGITAL:

https://sites.google.com/view/uavdigital

FOTO: Nilton Dondé

SOBRE O ARTISTA

NILTON DONDÉ (Caxias do Sul – RS, 1997) é bacharel em Artes Visuais (2018) pela Universidade de Caxias do Sul (UCS) e acaba de concluir a Especialização em Artes Visuais: Produção e Pensamentos Contemporâneos (2021) pela mesma instituição. Realizou formações complementares no Centro Universitário de Belas-Artes de São Paulo – SP, Atelier Livre da Prefeitura de Porto Alegre – RS, Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo – SP e na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV), no Rio de Janeiro – RJ. É um dos membros do Coletivo UN, juntamente com as artistas Marina Rombaldi (Caxias do Sul, 1996) e Nicole Martinato (Caxias do Sul, 1996).