Caxias do Sul 05/08/2020

A atriz e o imperador

Assídua correspondência entre Dom Pedro II e artista italiana está eternizada em livro editado pela UCS
Produzido por José Clemente Pozenato, 31/07/2020 às 11:14:57
Foto: Marcos Fernando Kirst

“Foi com os olhos e a mente que Dom Pedro II se aproximou de Adelaide Ristori”.

Esta frase consta na contracapa do livro O Imperador e a Atriz, publicado pela editora da Universidade de Caxias do Sul em 2007, com o apoio do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul e o patrocínio da Lupatech, então presidida por Nestor Perini, de saudosa memória. O livro, certamente com a frase da contracapa, é da autoria de Dom Carlos, um trineto de Dom Pedro II. Seu nome completo é Dom Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança.

O fato de essa obra ter sido publicada em Caxias do Sul e com patrocínio de uma empresa da cidade nasce de dois vínculos históricos. Um: Caxias do Sul teve a mais densa contribuição da imigração italiana no Brasil. Dois: a esposa de Dom Pedro II era italiana, a imperatriz Dona Teresa Cristina das Duas Sicílias. E mais um detalhe: a padroeira da catedral de Caxias do Sul, Santa Teresa, foi escolhida para homenagear a esposa do Imperador que patrocinou a vinda de imigrantes italianos para o Brasil.

Adelaide Ristori, a atriz italiana que encantou o imperador brasileiro

O fato de Adelaide Ristori ser italiana, além de excelente atriz, contribuiu para consolidar a afeição do Imperador para com ela. Trocaram cartas de 1869 a 1891, durante vinte e dois anos, numa média de mais de três cartas cada um por ano. Cartas todas escritas em língua italiana. Dom Carlos observa na Introdução que “as primeiras cartas do Imperador contêm muitos erros, sejam ortográficos, sejam de vocabulário, mas foram melhorando com o passar do tempo. As cartas da Ristori são escritas numa elegante e apurada linguagem, que não podia ser diferente numa artista do seu quilate”.

Sobre o “quilate” da artista, Dom Carlos faz a seguinte descrição: “Ela não era uma mulher de grande beleza, mas de enorme expressão, com uma voz forte, clara e melodiosa. Tinha um porte real, uma razoável cultura, bondade, uma grande simpatia e uma forte personalidade”.

Como relatei em crônica anterior, tive a honra e o prazer de conhecer muito de perto essa história da relação entre Dom Pedro II e Adelaide Ristori.

Dom Pedro II, o monarca missivista

Tudo começou numa conversa com Gervásio Rodrigo Neves, que havia trabalhado na UCS por algum tempo e, na ocasião, era o Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul. Na conversa, feita em Antônio Prado, e da qual participou a professora Cleodes Piazza Ribeiro, Gervásio contou que o Instituto tinha recebido os originais de um livro de Dom Carlos, com a correspondência entre Dom Pedro II e uma atriz italiana. Queria saber duas coisas: se a UCS se interessaria pela edição e se faríamos alguns ajustes do texto e a organização de notas e fontes bibliográficas para a publicação. Aceitamos a solicitação e levamos adiante o trabalho.

Tenho ainda no arquivo de meu computador o arquivo completo do livro, com a redação que dei às notas do final da obra, embora não conste nenhuma indicação desse trabalho no livro publicado!

Começa assim:

"No dia 19 de Junho de 1869 entrava na baía do Rio de Janeiro o navio “Estremadur”, procedente de Bordeaux. Havia parado no Recife e na Bahia. Entre os muitos passageiros estava a famosa atriz dramática italiana Adelaide Ristori, com o marido e “manager”, o Marquês Giuliano Capranica del Grillo. Os dois filhos, Giorgio e Bianca, acompanhavam o casal, assim como uma trupe de 32 alegres artistas, deslumbrados com a maravilhosa paisagem carioca, para eles uma nova e aventurosa experiência.

Bagagens e mais bagagens foram descarregadas, pois a célebre “Compagnia Drammatica Italiana” trazia todos os ricos e vistosos hábitos necessários para os diferentes espetáculos. Quinze no total, com dezessete apresentações. Além disso, estava ainda no programa uma tournée a Buenos Aires.

Presente no lançamento do livro, Dom Carlos – herdeiro dos “pendores pelas artes, literatura e cultura em geral” de seu trisavô – me presenteou com seu autógrafo, assinado com o nome completo:

Ao mui prezado e ilustre Prof. José Clemente Pozenato, com admiração e simpatia – Dom Carlos Saxe-Coburgo e Bragança – 26-10-2007.

Coisas para ficarem na história!

Livro "O Imperador e a Atriz", editado pela EDUCS, em 2007

José Clemente Pozenato é escritor e autor do aclamado "O Quatrilho", que foi adaptado ao cinema, concorrendo ao Oscar.

mail pozenato@terra.com.br

Do mesmo autor, leia outro texto AQUI