Caxias do Sul 23/10/2021

Profissões “verdes”: sustentabilidade abre espaço para novos ofícios

Jovem de 21 anos já supera 500 projetos de energia solar como piloto de drone em Caxias do Sul
Produzido por Silvana Toazza, 17/09/2021 às 09:59:15
Profissões “verdes”: sustentabilidade abre espaço para novos ofícios
De aprendiz, Pedro Cavalli Smaniotto passou a ser instrutor de pilotagem de drone
Foto: Mauro Martins

POR SILVANA TOAZZA

Na esteira da preocupação com a sustentabilidade e com produções limpas, novos filões ganham força no mercado e descortinam profissões atípicas. São os “empregos verdes”, aqueles que reduzem as emissões de carbono lançado na atmosfera, define o empresário caxiense Paulo Magnani.

Diretor geral da Magnani Luz e Energia, com mais de 50 anos de história, o executivo, ao lado do segmento de iluminação, tem se voltado nos últimos anos a desbravar novos nichos em sintonia com as demandas econômicas. Entre eles está o braço que atende à produção de energia solar, transformando os raios de sol em economia no bolso, potencialização de negócios e uma geração sustentável.

Para fazer frente a esse negócio, que irradia ainda mais força por conta do custo exorbitante da energia elétrica, Paulo Magnani vem desde 2012 selecionando profissionais dedicados a empregos verdes. Entram em cena como protagonistas, nessa cadeia, engenheiros, orçamentistas, projetistas, eletrotécnicos, eletricistas, auxiliares e pilotos de drones. Sim! Esses aparelhos que voam guiados por um controle remoto, tiram fotos e produzem vídeos aéreos, são fundamentais tanto para dimensionar projetos de energia solar em áreas rurais, com módulos de solo, quanto em prédios e casas, com placas de telhado. As imagens também são vitais para a finalização do projeto, apresentando todas as áreas da usina, suas peculiaridades, com vistas a monitorar pela internet seu funcionamento.

Paulo Magnani identificou a importância que viria a ter um piloto de drone alguns anos atrás, quando, numa viagem à China, não teve dúvidas. Acostumado a aprender técnicas e a se empolgar com novas tecnologias, o empresário comprou um drone e precisou superar a barreira da língua para aprender na Ásia a manusear e a treinar em um equipamento que exige conhecimento técnico. Não se intimidou. Conseguiu absorver o máximo de conteúdo do “professor chinês” e, depois, complementou as informações com treinos, tutoriais e vídeos na internet.

De volta ao Brasil, mais precisamente a Caxias do Sul, repassou esse conhecimento e treinou seu futuro piloto de drone, uma função que, na ocasião, ainda não existia na Magnani Luz e Energia. Jovem e interessado em inovações, Pedro Cavalli Smaniotto foi o escolhido e não só aprendeu um novo ofício como ganhou respeito e se encantou com a profissão.

Pedro Cavalli Smaniotto é instrutor de pilotagem de drone

“Elevamos o mercado de energia solar a outro nível”

No cotidiano de Pedro está algo impensável até anos atrás, quando foi desafiado a aprender a pilotar um... drone. Seu trabalho consiste em sair a campo e captar imagens para a idealização de usinas de energia solar em formato 3D, com vistas à correta distribuição dos módulos fotovoltaicos.

Seu ofício é essencial nessa cadeia, pois ajuda a equipe a dimensionar a instalação da usina, na correta distribuição das placas, mas também passa segurança ao cliente na aprovação do layout e do projeto comercial. Há cerca de seis anos, o jovem ingressou na Magnani na condição de “Menor aprendiz”, no setor de marketing. Pilotar um drone era improvável e até difícil. Realidade que, com a dedicação de Paulo Magnani como instrutor, não foi difícil de ser mudada.

O cenário sofreu uma transformação, e Pedro Cavalli Smaniotto soma a marca espetacular de mais de 500 projetos de energia solar idealizados pela Magnani a partir de suas imagens captadas somente nos últimos três anos. Ou seja, seu trabalho foi primordial para municiar esses projetos fotovoltaicos desde o primeiro momento.

Além de suas atividades na utilização de um software alemão de ponta para projetos fotovoltaicos, também é instrutor de pilotagem de drone, uma vez que a equipe de vendas da empresa também necessita dessa habilidade.

“No início, tudo era mais limitado. Fomos buscando conhecimento para auxiliar os vendedores, gerando dados técnicos para o orçamento de usinas de excelência. Trata-se de uma solução completa avançada”, pontua o jovem, estudante do quinto semestre em Administração de Empresas.

O drone capta imagens em 3D, com escala perfeita, seguindo legislação própria para este setor.

“Amplia a assertividade, indicando sombreamentos e irradiação solar. Elevamos o mercado de energia solar a outro nível”, destaca o auxiliar administrativo e piloto de drone, em entrevista exclusiva ao site.

Usina de energia solar de solo instalada pela Magnani na Granja Andreazza, no distrito caxiense de Santa Lúcia do Piaí

Pedro acrescenta que, hoje, o leque de ofícios voltados à preocupação ambiental é amplo, e que as profissões surgem e se adaptam em sintonia com as soluções de mercado que buscam diminuir os danos ambientais, reduzir custos e ampliar a sustentabilidade de empreendimentos e famílias. Não há dúvidas de que os empregos do futuro serão aqueles que a mente humana conseguir criar a partir de estratégias que melhorem a relação do homem com o meio ambiente e garanta sustentabilidade dos negócios e do planeta.

Além da energia solar, Paulo Magnani vem atuando de forma incansável em outro segmento que desponta na cadeia de empregos verdes: o de carregadores do automóvel elétrico, outro caminho que se mostra promissor para reduzir a poluição e substituir a matriz energética na próxima década no mundo.

“Esse não é apenas o mercado do futuro, mas do presente”, frisa Paulo Magnani, com seu olhar sempre visionário para as inovações.

Magnani Luz e Energia

Caxias do Sul: Avenida Rubem Bento Alves, 4.549, Perimetral Norte, bairro Santa Catarina

Torres: Avenida Barão do Rio Branco, 876, Centro

Site: www.magnani.com.br