Caxias do Sul 05/03/2024

Empresa da Serra transforma caminhões convencionais em híbridos

Com os negócios já fechados, companhia prevê alcançar faturamento de R$ 2,5 milhões em 2024
Produzido por José Carlos Secco, 02/02/2024 às 12:26:41
Empresa da Serra transforma caminhões convencionais em híbridos
Patenteada, nova tecnologia permite redução no consumo de combustível entre 25% e 30%
Foto: Divulgação

POR JOSÉ CARLOS SECCO

A H2TECH, com sede em Caxias do Sul e focada no desenvolvimento de soluções inteligentes e sustentáveis para o transporte, está oferecendo para o mercado brasileiro uma solução inovadora e inteligente em mobilidade elétrica veicular. A empresa acelera seu projeto de transformação de caminhões pesados movidos a diesel em veículos híbridos, com o sistema E-TRAX.

A nova tecnologia permite que frotistas modernizem suas frotas e reduzam custos e a emissão de poluentes. O projeto começou a ser desenvolvido em 2017, para transformar um caminhão com motor diesel a combustão em híbrido. O objetivo é reduzir o consumo de combustível entre 25% e 30% em veículos pesados e de pequeno porte, como o Veículo Urbano de Carga (VUC).

A H2TECH já comercializou 15 unidades e o prazo para entrega do veículo transformado é de quatro a cinco meses. Com os negócios já fechados, a empresa prevê alcançar faturamento de R$ 2,5 milhões, em 2024, e de R$ 8 milhões a R$ 10 milhões, em 2025, com previsão de transformar mais de 24 caminhões.

O sistema, que adiciona tração elétrica a caminhões a combustão, começou a ser comercializado em setembro do ano passado e custa R$ 350 mil para veículos extrapesados e o payback (retorno) do investimento se dá entre dois e três anos. A maior morosidade, hoje, deve-se ao fornecimento de baterias, mas, conforme a empresa conquistar escala nesse processo, mais velocidade terá junto à cadeia de suprimentos.

“Nosso negócio começou com o objetivo de identificar as maiores dores das transportadoras, que estavam nos altos gastos com manutenção e combustível. Foi então que surgiu a ideia de desenvolver um produto acessório de tração elétrica que minimizasse o consumo e também o desgaste do veículo, contou o engenheiro Henrique Eckert, sócio da H2TECH, junto com Henrique Petry, também engenheiro.



Segundo Eckert, o sistema híbrido patenteado pela H2TECH não altera o modo de condução, sendo indiferente ao condutor pelo fato de ser totalmente autônomo e acionado por um botão: “Se não dissermos que está ligado, o motorista nem percebe que tem o sistema híbrido porque não há ação diferente”, afirmou.

Henrique Eckert (em pé) e Henrique Petry, idealizadores do projeto do E-TRAX, esperam faturar R$ 2,5 milhões em 2024

O sistema é formado por um motor elétrico movido a baterias de lítio e inversor de frequência, cujo funcionamento é comandado por um software de gerenciamento de controle da energia da bateria, assim como do comando do motor elétrico, para avisar quando ele deve entrar em funcionamento, tanto para frear quanto para auxiliar na tração do caminhão. Funciona de forma similar ao que se vê de tecnologia dos carros.

O acionamento do E-TRAX ocorre sempre que o motorista aciona os pedais de freio ou acelerador. Por meio de um painel de monitoramento, o motorista acompanha o controle autônomo do sistema. Quando o condutor pisa no acelerador, o sistema analisa e determina se o conjunto propulsor está fornecendo a potência necessária para a movimentação do veículo e aciona o motor elétrico. Quando tira o pé do acelerador, o sistema funciona para regeneração de energia e recarrega a bateria.

Nas situações de declive (descida), o E-TRAX é acionado para ajudar na frenagem e recarga das baterias, o que aumenta a vida útil do sistema de freios. E é justamente pelo maior número de frenagens que o uso em condições urbanas permite maior economia de combustível em relação à aplicação rodoviária, pois propicia o carregamento da bateria.

Sistema E-TRAX vem sendo testado desde 2022, por meio de acordo com a TRD Transportes

No caso de um caminhão extrapesado, que carrega acima de 50 toneladas e pouco circula em ambiente urbano, a eficiência do kit se dá a partir de 40 km/h, sendo que esses caminhões andam, geralmente, na faixa de 60 km/h.

O sistema E-TRAX vem sendo testado desde 2022, por meio de acordo com a TRD Transportes, de Caxias do Sul, RS, que participou da validação do sistema utilizado como protótipos nos caminhões da frota. De acordo com os engenheiros, existem cerca de 2 milhões de caminhões extrapesados em circulação no país e o sistema também pode ser instalado em veículos a gás.

A empresa

A H2TECH nasceu em 2017 na cidade gaúcha de Tapera, como uma empresa prestadora de serviços de engenharia. Em 2022, com investimento inicial de R$ 500 mil, deu início ao projeto do E-TRAX. No ano passado, mudou sua sede para Caxias do Sul, a fim de ficar mais próxima das transportadoras e dos fornecedores, e conta hoje com cinco funcionários.