Caxias do Sul 27/02/2021

Caxias perde o artista do OLHAR

Fotógrafo Mauro J. Bettiol morreu na manhã desta quinta-feira, 24 de dezembro, entristecendo o setor artístico/cultural da região
Produzido por Marcos Fernando Kirst, 24/12/2020 às 17:40:10
Caxias perde o artista do OLHAR
Foto: ARQUIVO PESSOAL

Por MARCOS FERNANDO KIRST

A notícia da morte súbita e inesperada do fotógrafo/artista Mauro J. Bettiol pegou de surpresa seus familiares, seus amigos, os apreciadores de sua arte singular e toda a comunidade cultural de Caxias do Sul e região. Um mal súbito, na manhã desta quinta-feira, 24 de dezembro, obscureceu para sempre as lentes do olhar único que Maurinho (como era conhecido por quem admirava sua obra e seu jeito de ser gente) sutil e sensivelmente lançava sobre os elementos do mundo, absorvendo narrativas visuais a partir do clicar preciso de seus aparelhos fotográficos, perenizando as nuances da existência, propondo ressignificações, produzindo arte.

Aos 56 anos de idade, Mauro abandona cedo o cenário artístico/cultural regional no qual estava inserido já como protagonista reconhecido, a partir da arte fotográfica que realizava, tendo já criado e desenvolvido uma assinatura própria, um estilo único, uma forma de trazer ao público as idiossincrasias visuais do mundo que só a afinada sensibilidade de seus olhos, temperados com a profundidade de sua alma habitada, sabia evocar. Mauro sabia valorizar e identificar, como poucos, a dimensão da arte e da cultura como portais cruciais para a formação dos cidadãos, dos bons cidadãos, aqueles da mesma cepa que ele tão bem representava.

Em suas palavras, a figura do artista, que ele mesmo era, podia ser definida assim: “no atelier da selva, o artista é a aquarela da vida. E nesta galeria do tempo, o fotógrafo é o curador deste evento”.

Seus trabalhos inauguraram a temporada de mostras na Galeria Municipal de Arte Gerd Bornheim, em Caxias, junto à Casa da Cultura, no início deste ano de 2020, antes que a pandemia viesse a obrigar o local a fechar as portas por um longo período. Cerca de 600 fotografias, reunidas sob conjuntos temáticos em cerca de 40 quadros, compunham a exposição “Os Segredos da Janela”, inaugurada no dia 15 de janeiro, em evento que reuniu familiares, artistas, amigos e admiradores de seu talento.

(Foto Mauro J. Bettiol)

Tive a imensa honra de ter sido convidado por ele para fazer a curadoria da mostra, bem como a missão de escrever alguns textos para a imprensa e revisar o conteúdo escrito que acompanhava os quadros. O trabalho prévio, junto ao Mauro, em diversas reuniões realizadas no espaço do Zarabatana Bar, junto ao Centro de Cultura Henrique Ordovás Filho, promoveu uma aproximação maior com ele, pavimentando uma admiração e um respeito recíprocos, que se consolidou em amizade, aquelas amizades tranquilas que se estabelecem quando almas semelhantes se reconhecem em uma das encruzilhadas dos caminhos da vida.

Pude conhecer o Mauro além e anterior à obra genial e encantadora que produzia. A sensibilidade de seu olhar único sobre as coisas, a natureza, as gentes e as sensações brotava de sua alma de absoluto artista. Seu olhar diferenciado ultrapassava o poder de alcance das teleobjetivas e mergulhava na alma das gentes, a partir da alma dele próprio. Não podia dar noutra: sua arte era surpreendente, autoral, única, revestida em talento e gênio.

(Foto Mauro J. Bettiol)

Mauro fecha a câmera, recolhe o tripé da vida, mas deixa em todos nós um legado que enriqueceu e seguirá enriquecendo as almas de quem transitar pelas suas fotos. Deixa, também, como desafio e como forma de homenageá-lo todos os dias, o compromisso de seguirmos batalhando o bom combate em favor das artes e da cultura, da forma como ele tanto fazia. A gente vai seguir por aqui, Mauro, enquanto você desbrava singularidades visuais a partir desse teu novo ângulo privilegiado.

O curador da mostra sendo recebido pelo artista (Foto: Silvana Toazza)

Sentiremos saudades!

O velório acontece a partir das 19h30 desta quinta-feira, 24, na Capela D do Memorial São José, em Caxias do Sul. O sepultamento ocorre nesta sexta-feira, 25, às 11h, no Cemitério da Sociedade do bairro Santa Catarina.