Caxias do Sul 19/06/2024

Aeroporto caxiense tem 23% dos voos de maio cancelados devido à neblina

De 140 voos comerciais, 32 não pousaram no terminal regional Hugo Cantergiani
Produzido por Silvana Toazza, 05/06/2024 às 10:29:09
Aeroporto caxiense tem 23% dos voos de maio cancelados devido à neblina
Vistoria no aeroporto caxiense em momento sem teto
Foto: Rodrigo Rossi, divulgação

Dos 140 voos comerciais das quatro companhias aéreas (Gol, Latam, Azul e Voepass) previstos para o mês de maio, 32 não pousaram no Aeroporto Regional Hugo Cantergiani devido às condições climáticas. Ou seja, os cancelamentos por conta da neblina, que restringe a visibilidade, atingiram 23% da malha. A informação foi repassada pela prefeitura de Caxias do Sul, por meio da Secretaria Municipal de Trânsito, Transportes e Mobilidade.

A cerração atrapalhou também a chegada à cidade do ministro dos Transportes, Renan Filho, na última segunda-feira (3/06). Dos seis voos naquele dia, dois foram desviados para outros aeroportos. Em comparação, em abril, foram cancelados/alternados 20 voos de 108 previstos, isto é, 18% da malha prevista no mês.

Em maio, mês da pior calamidade climática no Rio Grande do Sul, o Aeroporto Hugo Cantergiani tornou-se um corredor humanitário, com recebimento de donativos em mais de 300 aeronaves provenientes de várias partes do país e também novos voos comerciais, em função do fechamento do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre.

Melhorias urgentes

Devido a esse novo momento do terminal local, no dia 23 de maio, o prefeito de Caxias do Sul, Adiló Didomenico, encaminhou à Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) documento solicitando a internacionalização do aeroporto pertencente ao município. Paralelo a isso, a Administração Municipal informa que está trabalhando com vistas a melhorias como ampliação das áreas de embarque e desembarque e instalação de equipamentos e procedimentos que auxiliam a aeronavegabilidade em dias de chuva e neblina. Outras necessidades incluem aquisição de equipamentos de raios X e obras na pista principal de pousos e decolagens.

"Estamos orçando intervenções para a pista e já houve a encomenda dos equipamentos para melhorar as condições de pouso e decolagem. Buscamos uma ampliação de 500 metros quadrados da área de embarque e 300 metros quadrados da sala de desembarque. Nós vamos quase triplicar a nossa área de acolhimento de pessoas. Com mais 800 metros quadrados, a Polícia Federal, a Anvisa e a Receita Federal podem se instalar tranquilamente", anunciou o prefeito.

No dia 27 de maio, Paulo Pimenta, ministro da Secretaria Extraordinária de Ajuda à Reconstrução do RS, também informou a solicitação junto à ANAC e ao Ministério dos Portos e Aeroportos para que o equipamento ILS, que está no Aeroporto Salgado Filho, possa ser usado de forma emergencial no terminal caxiense durante esse período de desvio de rota.

O receio é que a instabilidade em relação aos pousos, os transtornos e os altos custos de passagens possam comprometer o turismo (e a economia) gaúcha no inverno, auge do movimento.

A saber: o ILS, abreviação de Instrument Landing System, conhecido em português como Sistema de Pouso por Instrumento, é um sistema que fornece aos pilotos informações essenciais que auxiliam na aterrissagem sob condições de teto e visibilidade restritas.