Caxias do Sul 23/10/2021

“Acreditar que estamos onde deveríamos estar motiva a transformar o que está ao alcance”

O poeta, jornalista e Patrono da Feira do Livro de Caxias do Sul 2020, Dinarte Albuquerque Filho, compartilha encantamentos culturais
Produzido por redação, 28/10/2020 às 07:31:09
“Acreditar que estamos onde deveríamos estar motiva a transformar o que está ao alcance”
Foto: ARQUIVO PESSOAL

Um livro

São tantos... O que me encaminhou e “autorizou-me” para a poesia foi, sem dúvida, Caprichos e Relaxos, de Paulo Leminski. Nem antes nem depois, tudo que Haroldo de Campos escreveu; Morangos Mofados, de Caio Fernando Abreu; Santa Clara Poltergeist, de Fausto Fawcett, as crônicas de Rubem Fonseca e as narrativas insanas de Dalton Trevisan. E tenho entre minhas leituras recorrentes Crime e Castigo, de Dostoiévski; Numa Terra Estranha, de James Baldwin; Sol e Aço, de Yukio Mishima, e As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino.

No dia a dia, muita poesia e o romance policial são bem-vindos – este, de Dashiel Hammet a Luiz Alfredo Garcia-Roza.

Poesia de Leminski sempre na cabeceira

Clássico de Dostoiévski é referência

Um som

O primeiro LP que comprei, por conta e risco, foi o Led Zeppelin IV, e é uma das trilhas que me acompanha desde então. Mas ele ganhou a companhia, intensa e encantadora, de Itamar Assumpção. Mas tem uma lista extensa de cantores, compositores e instrumentistas brasileiros, Hermeto Pacoal puxando a fila... fica difícil enumerar, pela pluralidade implicada; além disso, tem Lou Reed, com ou sem o Velvet Underground, Sex Pistols, Laurie Anderson, Patti Smith, Talking Heads, Philip Glass, Billie Holiday e muitos mais, que este mundo é grande e o universo musical, infinito e iluminado.

Primeiro LP adquirido: Led Zeppelin IV

Disco de estreia de Itamar Assumpção

Um lugar

Gilberto Gil, outra grande fonte de iluminação, já deu a letra: “O melhor do lugar do mundo é aqui e agora”. Muitas vezes a vontade é não estar em lugar algum ou, pelo menos, não no lugar onde me encontro. Por exemplo: ser cidadão brasileiro no momento não é o “lugar” que imaginei nem nas minhas fantasias mais tristes. Porém, apesar dos pesares, acreditar que estamos onde deveríamos estar, motiva a encarar a situação com a perspectiva de transformar o que está ao alcance – ou, pelo menos, a mim mesmo. E este sempre será o melhor lugar.

Um filme

Um dia muito especial, de Ettore Scola, com Sophia Loren e Marcello Mastroiani. Mas, tem também Asas do desejo, de Wim Wenders; Tess, uma lição de vida, de Peter Firth; Manhattan, de Woody Allen; alguma coisa do Glauber Rocha, outras do Rogério Sganzerla, que contribuíram para formar uma consciência mais crítica e sensível da arte e da vida.

"Um dia muito especial", de Ettore Scola

Um prato

Depois de experiências macrobiótica e ovo-lacto-vegetariana, de volta às massas, churrasco, abraçadinho, salada de grão de bico com cebola e ovos picados, mas sem fazer cara feia para o arroz integral, omeletes e doces.

Dinarte por Dinarte

Um bom ouvinte, em busca permanente – nem sempre tranquila –, seja da palavra certa, seja da cidade, do humano na cidade e da poesia que a envolve.