Caxias do Sul 20/04/2021

“A hora de se preparar para a calmaria pós-tempestade é agora"

Em meio à pandemia, jovem empresária caxiense tirou da gaveta franquia de cafeteria e tem planos arrojados de crescimento
Produzido por Silvana Toazza, 25/03/2021 às 17:50:46
“A hora de se preparar para a calmaria pós-tempestade é agora
Fabíola Coppi Fadanelli comanda a Dulce Amore Confeitaria Fina
Foto: Thiago Silva

POR SILVANA TOAZZA

Ela é apaixonada por confeitaria e doces. E vem desenvolvendo cada vez mais sua faceta de empreendedora. A jovem empresária Fabíola Coppi Fadanelli, 29 anos, desde 2014 comanda a Dulce Amore Confeitaria Fina, de Caxias do Sul.

E, neste mês, a despeito das incertezas econômicas geradas pelo pior momento da pandemia, ela resolveu tirar do bule mais uma novidade: o projeto de franquias da Dulce Amore Urban Coffee, um modelo de cafeteria no estilo internacional Pegue e Leve.

Trata-se de uma cafeteria com custos fixos (investimento de R$ 39 mil), voltada para grandes centros ou locais com expressivo fluxo de pessoas. A primeira loja franqueada já exala aromas na Rua Pinheiro Machado, 2.443, no centro de Caxias do Sul, agregando ao cardápio café, cappuccino, chocolate quente, café na casquinha, soda limonada, cookies, bolo do dia, brownie, brigadeiro, pão de queijo e croissant.

A meta da empreendedora é audaciosa: a abertura de seis cafeterias franqueadas até o final de 2021 e de 30 lojas em quatro anos, confirmando que Caxias do Sul se consolida como um polo franqueador.

Nesta entrevista exclusiva ao site, Fabíola Coppi Fadanelli, administradora e mercadóloga, revela o novo capítulo da história de sua empresa:

Qual seu histórico profissional?
Comecei fazendo brigadeiro na casa da minha mãe para complementar a renda. Na época, eu era estagiária e queria uma grana extra. Trabalhava aos sábados, único dia livre da agenda. Com pouco tempo, os doces do sábado já rendiam mais do que a remuneração do estágio. O hobby virou coisa séria, uma empresa hoje com quase 20 funcionários e sete anos de mercado.

Como surgiu a Dulce Amore Confeitaria Fina?
Surgiu da vontade de colocar tudo o que eu aprendia na teoria administrativa em prática. Vi uma oportunidade e, mesmo sem saber nada de cozinha, abracei, me dediquei, trabalhei (e ainda trabalho) muito e consegui!

De onde nasceu a ideia de lançar uma franquia de café, a Dulce Amore Urban Coffee?
No meu intercâmbio na Filadélfia (EUA), trabalhei em uma rede de franquias e a forma como tudo funcionava lá dentro me encantava muito. Um tempo depois, na faculdade, eu participei de um concurso chamado o Administrador do Futuro. Um dos nossos desafios era desenhar a festa de revelação dos ganhadores. Minha equipe convidava os patrocinadores. Fui até a Croasonho entregar o convite para os, então, donos. Chegando lá, tinha uma parede inteira com nomes de cidades e datas, meus olhos brilharam. Perguntei do que se tratava e ouvi a resposta: “aqui fazemos o nascimento das lojas”. Foi a primeira vez que eu vi na prática os bastidores de uma franqueadora. Eu ainda não estava preparada, mas já sabia o que queria. A mesma cena se repetiu quando fiz os coquetéis de inauguração das academias Engenharia do Corpo. Eu tinha uma reunião de definição do cardápio e a gerente se atrasou. Fiquei uns 30 minutos virada para um flip chart com nomes de cidades e datas. Foi o sinal que eu precisava para ter coragem de colocar em prática algo que há muito fazia meu coração acelerar. Depois desse episódio, foram três anos de treinamento, acertos, erros, cálculos, testes e aprendizados. Muito estudo de tendências de mercado, viagens inspiracionais e entendimento sobre o novo normal.

Qual a proposta?
A proposta é loja pequena com pouco custo fixo, entregar ao mercado café Premium exclusivo a preço acessível e rapidez no atendimento, focado em centros urbanos de alto fluxo.

E o modelo Pegue e Leve?
Quando formulamos nosso projeto, sabíamos que estávamos em um período pandêmico, mas que tudo isso um dia iria passar, restando os ensinamentos aprendidos durante a pandemia. Por isso, pensamos em implantar o sistema Pegue e Leve, pensando no layout das lojas dessa forma: tem uma janela direto para a rua, onde o cliente para nessa janela, faz o pedido dele, pega e leva para tomar em casa, no trabalho ou onde ficar conveniente para ele. Esse é um sistema pensado e adaptado ao "novo normal" e é um modelo também super inteligente, no qual todas as embalagens são pensadas de forma sustentável. No máximo em quatro anos, todas as nossas embalagens estarão decompostas na natureza. Então são utilizados copos feitos de papelão ou fibra de bambu e os copos de bebidas frias, feitos de amido de milho. Esse conceito também ajuda os clientes na agilidade. Atendemos um cliente em, no máximo, dois minutos, então é um sistema bem pensado pra praticidade do dia a dia.

Vocês já estrearam com a primeira franquia em Caxias. Como está sendo a recepção?
Sim, já estreamos a primeira loja e temos mais duas no forno vindo por aí ainda neste semestre. Nosso time está muito feliz com a receptividade, recebemos muitas visitas de clientes nos desejando sucesso e boa sorte, adorando a proposta. Os cafés estão sendo altamente elogiados, franqueados e clientes finais felizes. Geramos empregos e levamos nossos sorriso e café delicioso no meio de tanta notícia ruim em relação à economia e à saúde pública. Eu não poderia estar mais feliz.

Qual a meta de expansão?
30 lojas em quatro anos: se continuar assim, chegaremos antes na meta, mas eu prefiro seguir com os pés no chão e realizar tudo com excelência. Como eu sempre digo: as coisas acontecem como tem de ser.

O que a levou a investir em pleno ano de pandemia e de incertezas no mercado?
Desde que eu resolvi ser empreendedora, há sete anos, existe crise. Elas mudam de nome, mas elas sempre existiram e sempre vão existir. O meu trabalho é agir independentemente do cenário, guiando minha equipe e servindo as pessoas que acreditam no nosso sonho. A pandemia vai passar, a hora de se preparar para o tempo de calmaria pós-tempestade é agora.

Qual o conselho que daria a jovens empreendedores intimidados pelo cenário ou que queiram tirar da gaveta um novo projeto?
Saiba aonde você quer chegar. Empreendedor não tem receita de bolo pronto, é um caminho constante pela atualização, gestão das emoções, desenvolvimento. Independentemente do cenário, não desista, siga seu sonho e seu coração. Continue agindo apesar do medo ou das adversidades, no final sempre dá tudo certo.

2021, o ano... de valorizar o que realmente importa.