Caxias do Sul 20/04/2021

Valorização da moradia impulsiona retomada da construção civil

Pandemia fez o público focar em viver melhor, o que leva a Magnani a projetar avanço de 30% nos negócios do setor em 2021
Produzido por Silvana Toazza, 12/03/2021 às 12:44:21
Valorização da moradia impulsiona retomada da construção civil
Residenziale Borgio Verezzi está em obras no bairro Exposição
Foto: silvana toazza

POR SILVANA TOAZZA

Quando a economia ensaiava uma retomada com mais força, após o difícil ano de 2020, a pandemia da Covid-19 recrudesceu e jogou um balde de água gelada em muitos setores. Alguns, no entanto, mantêm a esperança de que 2021 entregue bons resultados e, por serem considerados essenciais, dão seguimento a seus projetos, mesmo que num ritmo menor.

Esse é o caso da construção civil, segmento que coloca mais argamassa na possibilidade de expansão, impulsionada pelo investimento crescente das famílias em bem-estar e comodidade de suas residências e pela tendência de unir trabalho com moradia (home office).

De olho nesse filão, a Magnani Luz e Energia, empresa com 50 anos de história, acredita num avanço de 30% nos negócios dessa área em 2021, com a expansão de postos de trabalho. O foco é atender toda a infraestrutura elétrica de novos prédios, assim como a tendência sem volta da automação residencial (casas inteligentes), com a inovação conhecida como “internet das coisas” (comandos remotos de aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos via celular).

Além de fornecer todo o tipo de solução personalizada a construtoras para a nova onda de prédios residenciais e comerciais, incluindo a necessidade de prever garagens e soluções para os veículos elétricos (outra novidade que ganha rápida estrada no Brasil), a Magnani também vê avançar exponencialmente a procura por melhorias em apartamentos e prédios já prontos. Isso não apenas em Caxias do Sul, onde a empresa tem sua matriz, mas também, e com mais força ainda, no setor imobiliário do Litoral, em que a marca possui uma filial em Torres.

Uma das explicações, segundo Paulo Magnani, diretor geral da Magnani, é que, com a possibilidade de trabalho remoto, muita gente que tinha moradia de veraneio em cidades praianas se transferiu definitivamente ou por temporadas maiores para lá, apostando em melhor estrutura de conforto e bem-estar.

“As pessoas estão usufruindo melhor de suas casas, reformando, melhorando o conforto”, pontua o empresário.

“Temos grande variedade de itens elétricos, de iluminação e de automação, com conforto e design para cada tipo de obra. Nossa expertise é atender diferentes perfis de público, com suporte técnico da nossa equipe para a decisão de qual é a melhor solução para cada projeto, qual o melhor custo-benefício”, complementa Magnani.

Como a empresa está em sintonia com as tendências de mercado, outro filão reflete a preocupação com a sustentabilidade e a energia limpa, que impactam positivamente no bolso, a partir do investimento na energia solar.

Devido à aquecida demanda por itens para a construção civil, a Magnani aposta em planejamento com os fornecedores para fazer frente à reposição rápida de produtos junto a construtoras, um dos grandes diferenciais de mercado.

A saber: além da construção civil, a Magnani Luz e Energia atua em outros segmentos, como indústria, comércio, serviços, além de focar em inovações como energia solar e carregadores para carros elétricos.

Incorporadora lança três empreendimentos em 2021

Uma das clientes da Magnani Luz e Energia é a caxiense Exacta Engenharia, que admite sinais de retomada dos negócios desde o segundo semestre de 2020.

“Com a pandemia, as pessoas têm ficado mais tempo dentro das suas casas e muitas delas identificaram a necessidade de morar em residências maiores ou melhor localizadas. Isso fez com que elas procurassem um novo lar, movimentando todo o setor da construção civil”, expressa Juarez Mazzocchi, diretor da construtora serrana.

Com 33 anos de existência, a Exacta Engenharia está com quatro projetos em execução e já consta no cronograma para 2021 o lançamento de outros três empreendimentos imobiliários voltados ao público de alto padrão, todos eles localizados nos nobres bairros Exposição e Panazzolo e já com unidades reservadas. Além disso, expandiu a área de atuação, lançando um empreendimento de alto padrão em Gramado.

“As vendas estão boas e estamos muito otimistas com esses novos empreendimentos”, destaca Mazzocchi.

Prova desse sucesso é que o Residenziale Borgio Verezzi (foto), localizado na Rua Marcílio Dias, bairro Exposição, já está com 40% das unidades vendidas. O projeto chega com 21 apartamentos (um por andar) de 280 m² de área privativa, com quatro suítes e entrega prevista para agosto de 2022.

Com isso, vagas de trabalho já estão sendo abertas no setor da construção civil e o empresário acredita que as novas obras demandem a contratação de outros 50 profissionais junto aos prestadores de serviços da Exacta. Eles se somarão aos outros 20 trabalhadores recentemente incorporados às equipes dos canteiros de obras.

Questionado pela reportagem se investir em imóveis voltou a ser um bom negócio, Juarez Mazzocchi (foto acima) responde:

“Investir em imóveis sempre foi um bom negócio, hoje ainda mais, pois o mercado imobiliário é cíclico, alternando momentos de baixa e momentos de alta, e no momento estamos em um crescimento de oferta de novos lançamentos que não víamos nos últimos cinco anos. Para investir em imóveis, devemos sempre analisar de quem estamos comprando, ver qual a sua história, qual a credibilidade que a incorporadora tem, para diminuir o risco de depararmos com grandes surpresas como tivemos no setor pouco tempo atrás”, afirma, referindo-se a empresas serranas que estão em processo de recuperação judicial e/ou falência.

Apesar do aumento de preços das matérias-primas e dos insumos, o empresário ainda diz que “a oferta de financiamento imobiliário com taxas de juros baixas também é um ótimo motivo para se investir na compra de imóveis com o intuito de morar bem e, ao longo do tempo, isso se tornar um excelente investimento.”

A questão é que, na contramão de inúmeros setores, a construção civil coloca tijolo após tijolo num cenário que, apesar de adverso, acredita ser de otimismo num horizonte muito próximo.