Caxias do Sul 30/07/2021

“Somos pequenos, mas não precisamos pensar pequeno”

Casal proprietário de mercado caxiense optou por investir em sistema de energia solar e melhorar a competitividade
Produzido por Silvana Toazza, 15/07/2021 às 13:41:48
“Somos pequenos, mas não precisamos pensar pequeno”
Foto: Mauro Martins

POR SILVANA TOAZZA

Em tempos de aumento expressivo na conta de energia elétrica, por conta da troca de bandeira tarifária, investir num sistema de geração solar não é um diferencial apenas dos grandes empreendimentos, tampouco um sonho distante da maioria. Pelo contrário: representa, muitas vezes, um fator de sobrevivência, viabilidade financeira e melhor competitividade de estabelecimentos de pequeno porte.

“Foi o melhor negócio que a gente já fez na vida”, expressa em uníssono o casal Janete e Auri Girardi, proprietários do Mercado Vinhedos, instalado no bairro Nossa Senhora da Saúde, em Caxias do Sul.

A dupla pesquisou, amadureceu a ideia, buscou crédito junto à Sicredi Pioneira e bateu o martelo. Contratou a Magnani Luz e Energia para elaborar o projeto e instalar 58 módulos solares no telhado da construção, que abriga no térreo o mercado com 19 anos de história e, na parte superior, a moradia da família.

O resultado dessa “ousadia ou façanha”, à primeira vista, superou qualquer expectativa. Os recursos que antes eram destinados à fatura de energia elétrica do mercado, agora contemplam o pagamento do financiamento, e ainda sobra pelo menos 30% do valor, o que garante melhor fluxo de caixa do negócio.

“O fator predominante de termos investido em energia solar, além da sustentabilidade, foi a alta conta de luz, já que possuímos cerca de 20 equipamentos elétricos, entre freezers, serras, moedores, câmaras frias, fornos, balança, aquecedores, e ainda abastecemos a casa”, salienta Auri, esclarecendo que o mercado agrega açougue e padaria.

Inspiração a outros empreendimentos

O gasto com energia elétrica, que no período pré-usina solar chegava a R$ 3 mil mensais, agora não ultrapassa os R$ 300, incluindo as taxas. Ao financiamento, são direcionados R$ 1,6 mil por mês. Com o valor antes despendido em luz, não só é possível quitar a parcela do empréstimo, como sobra dinheiro em caixa, o que assegura tranquilidade ao casal para o fortalecimento do negócio familiar. Durante o verão, o sistema de geração fotovoltaica excede o consumo, garantindo crédito de energia solar para fazer frente ao equilíbrio em dias mais nublados e chuvosos.

“Para o pequeno comércio é a melhor opção, pois a conta de luz pesa bastante nos ombros. É um alívio”, ressalta Janete.

As taxas de juros acessíveis e as facilidades garantiram o financiamento do valor integral de R$ 110 mil para o sistema de energia solar do estabelecimento junto à cooperativa de crédito Sicredi Pioneira. O planejamento do projeto, a instalação “ótima e sem incômodo”, a assistência técnica, o suporte pós-vendas e as placas de alta qualidade WEG oferecidas pela Magnani foram determinantes para possibilitar o grande salto ao Mercado Vinhedos, hoje motivo até de curiosidade por parte de clientes e vizinhos. Muitos param para perguntar qual a mágica de conseguir investir em inovação sendo pequeno.

“Somos pequenos, mas não precisamos pensar pequeno”, sintetiza Janete.

O casal optou por compartilhar sua história como forma de inspirar outros pequenos empreendimentos, que enxergam a pesada conta de energia elétrica minar os lucros e as expectativas. Eles querem mostrar que é possível, viável, confiável e com retorno certo o investimento numa usina própria para energia solar.

“Se recuperarmos o investimento em três anos, teremos uma vida inteira para usufruir”, finaliza Auri.

Assista também ao trailer da reportagem, acessando este vídeo.

Leia ainda:

Vida útil de uma usina de energia solar vai além dos 25 anos