Caxias do Sul 19/04/2024

Empreendimento caxiense aposta em tratamentos à base de cannabis

Empresa pioneira no setor na cidade proporciona acesso regulamentado a medicações derivadas da planta
Produzido por redação, 11/03/2024 às 12:31:08
Empreendimento caxiense aposta em tratamentos à base de cannabis
Renata Squinalli é consultora canábica da Saúde Green
Foto: divulgação

Um empreendimento pioneiro no setor em Caxias do Sul proporciona acesso regulamentado a tratamentos à base de cannabis. A busca por produtos com canabidiol (um dos principais compostos encontrados na planta) e derivados segue a tendência de crescimento do mercado nacional para tratamento de inúmeras doenças, com regulamentação desde 2015. O mercado da cannabis medicinal neste ano prevê uma movimentação de mais de R$ 1 bilhão no país.

O cenário é percebido pela empresa caxiense Saúde Green, que dedica-se a conectar pessoas ao uso terapêutico de tratamentos com o uso do canabidiol e derivados. O serviço fornece orientações e encaminhamentos necessários para que o paciente possa iniciar a utilização dos medicamentos – desde a consulta médica até a aquisição dos produtos.

Atualmente, são dezenas de medicações derivadas da cannabis que têm autorização para serem utilizadas no país e que ajudam a amenizar os efeitos de doenças como câncer, epilepsias, Alzheimer e Parkinson, além de combater dores crônicas e transtornos de saúde mental, como ansiedade, insônia e depressão.

O uso cada vez mais popular de óleos, pomadas, extratos e medicamentos feitos com a planta tem resultado em aumento da procura em Caxias do Sul nos últimos meses. Conforme a consultora canábica da Saúde Green, Renata Squinalli, há um crescimento exponencial na demanda de novos pacientes e por solicitação de produtos, seguindo uma tendência nacional que mostrou uma elevação de 93% na importação de produtos à base de cannabis em 2023, de acordo com informações da Anvisa.

"É importante a população ter conhecimento sobre essa opção alternativa de medicamento 100% natural e orgânico", avalia.

Os medicamentos são adquiridos por meio da empresa NanoLab Nutrition, que é uma das principais representantes do segmento no país. São fornecidos diversos tipos de óleo e pomada à base de cannabis. Os produtos são importados dos EUA e Colômbia.

Uma visão social

Além de atuar como uma empreendedora que busca ampliar a sua área de atuação em Caxias do Sul, Renata Squinalli acalenta uma visão social a respeito do trabalho que exerce. Graduada em Serviço Social pela Faculdade Anhanguera em 2016, ela mostra-se consciente da importância em divulgar os métodos de tratamento com CBD (canabidiol) para diminuir os efeitos de casos específicos de doenças.

O início da atividade como consultora canábica aconteceu em 2020, quando teve a oportunidade de começar a trabalhar com redução de danos. Em 2021, teve acesso ao curso de Cannabis Medicinal na Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP), no qual pode conhecer mais sobre o uso da planta para fins medicinais.

O trabalho de divulgar a cannabis medicinal foi algo natural e se tornou um projeto de vida, conforme ela foi se profissionalizando na área.

"No início de 2023 tive a oportunidade de iniciar o meu trabalho como representante comercial na Nanolab Nutrition e decidi dar início ao Projeto Saúde Green, no qual presto assessoria aos médicos prescritores e faço acolhimento aos pacientes em todo território nacional. É uma espécie de escuta qualificada, na qual faço um atendimento personalizado e todos os encaminhamentos necessários", ressalta.

"Eu comecei a ter um dia a dia mais leve e minhas crises foram reduzidas"

O jovem Gabriel Rodrigues Almeida, de 25 anos, é um dos pacientes que encontrou melhorias significativas com o uso do óleo oriundo da cannabis. Portador de uma doença chamada epilepsia associativa, ele busca conter uma série de efeitos colaterais, como crises e enjoos.

"Sempre tive muita dor de cabeça e enjoo e o óleo me ajudou em amenizar os efeitos colaterais dessas medicações. Eu comecei a ter um dia a dia mais leve. As crises reduziram bastante desde que comecei a fazer uso. Uma coisa que eu notei em relação aos remédios alopáticos é a questão do paladar. Antes eu estava sempre sem fome e não sentia o gosto da comida. A cannabis ajudou a me alimentar melhor", conta.

Cada caso é analisado individualmente

O preconceito e a falta de informação ainda geram muitas dúvidas sobre o tema na sociedade. Hoje, o Conselho Federal de Medicina (CFM) garante que o profissional de saúde tem a autonomia de receitar o uso de medicamentos à base de cannabis – desde que a substância seja a indicada para o tratamento da patologia do paciente e que ele manifeste esse desejo.

A médica especialista em medicina endocanabinoide Natália Candiago esclarece que cada caso é analisado individualmente, a fim de descobrir qual é a dosagem necessária para garantir bons resultados ao longo do tratamento.

"Em algumas patologias específicas, como esclerose múltipla, dor crônica e fibromialgia, é preciso um pouco mais de THC (principal substância psicoativa da cannabis). Cada caso é um caso, cada pessoa responde de uma forma, então é necessário o acompanhamento médico para chegar no que chamamos de 'dose ideal', manejando possíveis interações medicamentosas", salienta.

A saber: no Brasil, são mais de 15 mil profissionais de saúde que prescrevem produtos à base de canabidiol, com mais de mil empresas que trabalham no setor. Atualmente, o país conta com cerca de 430 mil pacientes que fazem uso dos tratamentos à base de cannabis.