Caxias do Sul 20/01/2021

Bola para frente

O momento é o de apostar na retomada dos negócios e empregos no Rio Grande do Sul através do apoio à celeridade de expansão da nossa base econômica
Produzido por Vitor Augusto Koch, 12/01/2021 às 15:07:10
Foto: João Alves

O contraditório é um privilégio das democracias. Em lugares onde não existe a prática do contraditório, vemos situações adversas, como o genial presidente da Alibaba, o chinês Jack Ma, desaparecido ou escondido desde outubro último, simplesmente por fazer críticas construtivas ao Partido Comunista Chinês, que já manifestou a intenção de estatizar as empresas do bilionário, por pura represália.

No decorrer de 2020, a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS) foi firme na defesa de uma condução de bom senso da pandemia do Coronavírus no Estado gaúcho.

Nossa posição sempre defendeu medidas razoáveis e funcionais de distanciamento social e higiene, dentro das quais era perfeitamente possível manter o setor produtivo em funcionamento, impedindo, é claro, aglomerações.

O protocolo das "bandeiras" utilizado pelo Governo Estadual prevê praticamente tudo o que apregoávamos. Porém, na época em que propusemos tais medidas, se não fomos criminalizados, acabamos sendo, sim, marginalizados dos debates no âmbito do executivo gaúcho.

O tempo mostrou que estávamos corretos, inclusive no que se refere ao elevadíssimo preço pago pela sociedade gaúcha em termos de emprego e renda destruída devido às medidas radicais adotadas.

Lógico que nos colocamos à disposição para ouvir e refletir sobre o contraditório. Como todos os humanos e organizações, somos sujeitos a estarmos errados e, evidentemente, mudaríamos de opinião se nosso equívoco fosse devidamente comprovado.

Ao invés disso, fomos ignorados pelas autoridades estaduais e os lojistas e seus colaboradores estão pagando um preço altíssimo por tal situação, que, se não chega aos extremos da ditadura chinesa, também está muito longe de uma efetiva democracia, cujo principal sustentáculo é o debate saudável de divergências.

Dito isso, o momento é o de "tocar a bola para a frente" e nos empenharmos em resgatar o que foi perdido na direção da recuperação e prosperidade.

Nesse escopo, é fundamental aproveitarmos as condições favoráveis que se apresentam no contexto atual brasileiro, com a recuperação nacional do emprego; SELIC reduzida para incentivar o consumo; e muito dinheiro em circulação no mercado, por conta das medidas de apoio emergencial do governo federal às famílias que passaram por vulnerabilidade social na fase mais aguda da pandemia; além de um "dólar" que favorece as exportações.

O momento é o de apostar na retomada dos negócios e empregos em nosso Rio Grande do Sul através do apoio à celeridade de expansão da nossa base econômica.

Nesse ponto, alertamos que a largada em 2021 é com o pé esquerdo, na medida em que a Assembleia Legislativa aprovou, por pequena maioria, a prorrogação do ICMS mais elevado nos próximos quatro anos.

Pelo lado dos lojistas gaúchos, estaremos sempre e incansavelmente lutando para gerar mais empregos e riqueza para o Rio Grande do Sul. Estamos convencidos de que a esmagadora maioria dos empresários e trabalhadores de outros setores produtivos estão irmanados nessa opinião e disposição para fazer o melhor.

Esperamos que as autoridades estaduais e municipais tenham aprendido as duras lições proporcionadas pela realidade dos últimos meses e assumam uma postura mais favorável ao debate construtivo, onde todos aprendem e só têm a ganhar.

A FCDL-RS está permanentemente disposta e fiel a seguir os paradigmas da verdadeira democracia.

Vitor Augusto Koch é presidente da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Rio Grande do Sul (FCDL-RS)