Caxias do Sul 27/02/2021

Todos os pedidos são indeferidos e 11 regiões permanecem em bandeira preta

Governador anuncia novas medidas para aquilo que classificou como "o auge da pandemia"
Produzido por redação, 22/02/2021 às 17:19:43
Todos os pedidos são indeferidos e 11 regiões permanecem em bandeira preta
Governador anunciou mapa definitivo
Foto: Reprodução

Em meio a um clima de preocupação entre a população e empresários, o governador Eduardo Leite divulgou, em live no final da tarde desta segunda-feira (22/02), o mapa definitivo da 42ª rodada de distanciamento controlado no Rio Grande do Sul. As 11 regiões em bandeira preta e as 10 em bandeira vermelha foram mantidas. Todos os pedidos de reconsideração por entidades e municípios foram indeferidos.

Após ouvir os prefeitos, por meio da Famurs, o governador renovou o apelo pelo esforço de fiscalização para cumprir as regras e disse que a derrubada do modelo de cogestão não foi acolhida pelos municípios e, portanto, nesse momento, permanece. Ou seja, o modelo será mantido, inserindo-se regras adicionais. A suspensão geral de atividades não essenciais para todo o Estado será antecipada em duas horas, para as 20h (desde sábado, o horário era a partir das 22h até as 5h da manhã), medida válida desta terça-feira (23/02) até a próxima segunda-feira.

"Não trata-se de toque de recolher. Mas precisamos coibir reuniões e aglomerações em áreas públicas", destacou o governador.

Quanto à educação, Leite anunciou que, mesmo em bandeira preta, ficou definido que o retorno às aulas está liberado para a educação infantil e para o 1º e 2º anos do ensino fundamental, observando as regras de distanciamento e os cuidados para a não propagação do vírus. O motivo dessa liberação é a dificuldade que os pais encontram por não ter com quem deixar os filhos quando saem para trabalhar e a limitação de efetiva alfabetização das crianças em aulas virtuais.

Para os demais níveis de ensino, as atividades presenciais seguem proibidas em regiões com bandeira preta. As atividades de ensino presencial não podem ser definidas pelo sistema de cogestão regional.

Mesmo em bandeira preta, em função da cogestão, o comércio não essencial pode atuar com limitação de funcionários e público, e observando as regras, até as 20h.

O Rio Grande do Sul tem hoje taxa de ocupação de 86% nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTIs), o maior patamar desde o início da pandemia. No Rio Grande do Sul, já são 11.820 mil óbitos pela doença e 606 mil casos confirmados (95% dos acometidos pela doença já se recuperaram).

"Estamos vivendo o auge da pandemia", diz Leite.

Estabelecimentos fechados das 20h às 5h

Devem estar fechados a partir das 20h, sem público ou clientes, estabelecimentos de atendimento ao público, reuniões, eventos, aglomerações e circulação de pessoas tanto em áreas internas quanto externas, em ambientes públicos ou privados. Supermercados também devem seguir essa limitação de atendimento até as 20h.

As exceções devem ser mantidas para farmácias, hospitais e clínicas médicas, serviços funerários, serviços agropecuários, veterinários e de cuidados com animais em cativeiro, assistência social e atendimento à população vulnerável, hotéis e similares, postos de combustíveis e estabelecimentos dedicados à alimentação e hospedagem de transportadores de cargas e de passageiros, estabelecimentos que funcionem em modalidade exclusiva de tele-entrega e Centrais de Abastecimento do Rio Grande do Sul (Ceasa). A suspensão geral também não atinge atividades industriais noturnas.

Regiões em bandeira preta

Caxias do Sul

Capão da Canoa

Taquara

Novo Hamburgo

Canoas

Porto Alegre

Palmeira das Missões

Erechim

Passo Fundo

Santa Cruz do Sul

Lajeado

Regiões em bandeira vermelha

Bagé

Ijuí

Pelotas

Santa Rosa

Cachoeira do Sul

Cruz Alta

Guaíba

Santa Maria

Santo Ângelo

Uruguaiana